16/06/2010 12:00 am

VOTAÇÃO DE MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL É ADIADA

VOTAÇÃO DE MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL É ADIADA
16 de junho de 2010
.
Foi adiada para segunda-feira (21) a votação da reforma do Código Florestal (Projeto de Lei 1876/99 e outros). Integrantes da comissão especial que analisa o tema pediram vista conjunta do parecer do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP). O pedido foi feito logo após o início da reunião de hoje, que foi encerrada em seguida.

O presidente da comissão, deputado Moacir Micheletto (PMDB-PR), agendou a sessão de discussão e votação para as 14 horas de segunda-feira.

Entre outros pontos, o texto apresentado por Aldo Rebelo atribui mais autonomia aos estados para legislar sobre meio ambiente, retira a obrigatoriedade de reserva legal para pequenas propriedades e prevê que as áreas atualmente em uso para produção rural serão consideradas espaço consolidado da atividade agrícola.

Leia também
ONGs pedem posicionamento de presidenciáveis sobre Código Florestal
Especialista diz que novo Código Florestal pode ser desastre para capital paulista
Lula não quer votar reforma do Código Florestal em ano eleitoral

Divergências

A pressão dos ruralistas para que o novo texto seja aprovado antes das eleições e a informação vazada ontem de que a bancada do agronegócio pode propor uma barganha com o governo ¬ aprovar o relatório em troca da aprovação do projeto do Pré-Sal –, deixou parlamentares e organizações socioambientalistas preocupados.

“A ofensiva deles pela votação e aprovação ainda este mês está evidente”, disse o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) em entrevista ao ISA. “Já marcaram na segunda-feira exatamente para a sessão rolar das duas da tarde às 10 da noite. A não ser que venha um pedido do governo para adiar ou uma pressão muito forte do movimento social”, afirmou Valente.

De acordo com o presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Sarney Filho (PV-MA), a bancada ambientalista vai usar de todos os recursos legais e regimentais para evitar que a proposta seja votada antes das eleições. “Essa proposta vai contra os interesses do Brasil. Basicamente, fala em anistia e novos desmatamentos”, disse.

O parlamentar, que vai apresentar voto em separado, acredita que, após as eleições, seja possível discutir o aperfeiçoamento de alguns instrumentos do Código Florestal. Sarney Filho afirmou que a proximidade das eleições faz com que a discussão fique muito emocional. Para ele, esse tema exige mais racionalidade.

Para o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), a proposta precisa e será votada antes das eleições. Ele afirmou que a mudança do código foi uma tarefa assumida pelo Congresso porque é um pedido da sociedade.

“Nós tiramos essa discussão do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), das ONGs e dos ambientalistas para discuti-la com quem tem representação política e legal para fazê-la. E o Congresso Nacional assumiu essa tarefa”, disse Colatto.

Sarney Filho lembrou que a própria presidente da Confederação Nacional da Agricultura, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), afirmou que não é preciso derrubar mais árvores para manter a produtividade da agricultura.

Segundo o deputado, o parecer pode deflagrar um processo de novas derrubadas. Sarney Filho disse que é possível admitir a consolidação de áreas que já são cultivadas há 50 ou 100 anos, mas não as de dois anos atrás, feitas desobedecendo a legislação atual.

Para Colatto, a moratória de cinco anos prevista no parecer é até mais dura do que a lei atual, porque não permite que nada mais seja derrubado por cinco anos. O parlamentar afirmou que não assume compromissos com as derrubadas ilegais. Para ele, essa é uma questão de polícia.

“Barganha não é impossível”

O deputado Ivan Valente disse que o único temor dos ruralistas é que o governo peça à base de apoio o adiamento da votação do relatório de Aldo Rebelo. “Diante desse quadro e´que não acho impossível que eles estejam jogando com a possibilidade da barganha, utilizando-se a votação do Pré-Sal como moeda de troca nas conversas”, afirmou.

“O próprio ministério do Meio Ambiente declarou que é contrário ao relatório do Aldo. Para governo interessaria jogar isso para depois das eleições. Só assim é que se explica essa conversa da barganha, para que o governo não peça adiamento.”

Carta ao Brasil

Nesta terça-feira, 66 organizações de defesa do meio ambiente e de cientistas de diversas áreas do conhecimento, além de sete redes de organizações lançaram uma carta aberta dirigida aos habitantes do Brasil.

Depois de expor a importância do Código Florestal Brasileiro e da preservação do patrimônio natural, as entidades afirmam no documento que o meio ambiente ecologicamente equilibrado é um direito assegurado pela Constituição Federal.

As organizações afirmam que as mudanças propostas na legislação ultrapassam os limites que poderiam ser discutidos pela comissão e colocam em risco não só dos ambientes naturais do País mas também os princípios e institutos que norteiam a moderna legislação brasileira.

Na semana passada, PV, Psol e o Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União divulgaram notas técnicas na quais criticam o parecer de Aldo Rebelo. A avaliação dos dois partidos e da entidade é que o texto representa um retrocesso na proteção ambiental.
(com informações da Agência Câmara e da Agência Socioambiental

FONTE: http://www.mst.org.br/node/10104

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br