29/03/2012 12:00 am

Uruguai: pobreza diminui, mas crianças continuam muito afetadas

Uruguai: pobreza diminui, mas crianças continuam muito afetadas

 

No Uruguai, um retrato da pobreza e indigência no país, que vem diminuindo ano a ano. No entanto, crianças, adolescentes e afrodescendentes são os mais atingidos, formando uma grande parcela da população de rua. A realidade repete um padrão existente em toda a América Latina.

Enquanto os sem-teto uruguaios reduziram sua mínima representatividade desde que começou o recolhimento de dados (0,5% em 2011, 1,1% em 2010), os uruguaios que ainda vivem em situação de pobreza também diminuíram no mesmo período: em 2011, somaram 13,7%.

Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), alertam, no entanto, sobre situações complexas na dinâmica nacional, enquanto as famílias chefiadas por mulheres pobres têm níveis mais altos de indigentes, e entre os mais afetados são as crianças, o que demonstra que a indigência se converteu basicamente em infância, onde também se maior parte da extrema pobreza.

Há também uma diferenciação racial, previamente determinada: filhos e netos de afrodescendentes vivem em maior situação de pobreza do que as outras crianças.

Pobreza humilhante

Estatisticamente, no nível das famílias no país, a pobreza foi reduzida para 9,5% em 2011, o que traduzindo em número de pessoas significa que os pobres agora representam 13,7% dos uruguaios.

Ambos números apresentaram reduções sensíveis (praticamente de 4% -5%) em comparação com o ano anterior.

Montevidéu ainda é a cidade onde se concentra a maior quantidade de pessoas pobres com uma percentagem de 16,7%, semelhante ao que acontece em localidades urbanas no interior do país com menos de 5.000 habitantes (16,2%). Nas áreas rurais do país, os pobres são 6% da população total.

O Ministro do Trabalho e Segurança Social, Eduardo Brenta, disse que o governo, em princípio, atenderá “antes do tempo previsto” os compromissos assumidos durante a campanha eleitoral para reduzir a pobreza e miséria “bem antes do final do período de governo.” Imediatamente observou o secretário de Estado que isso demonstra, apesar das críticas da oposição, o triunfo das políticas sociais desenhadas pelo governo da Frente Ampla.Comunicado do INE

Indigência

A incidência da pobreza nas famílias mostra um declínio constante no período 2006-2011. A proporção de domicílios em situação de pobreza extrema em todo o país se move 0,6-0,3 por cento, de 2010 a 2011, respectivamente. Ao considerar a unidade de análise para as pessoas, a população de rua no país tem um total de 0,6 pontos percentuais abaixo dos 1,1% registados em 2010 para 0,5% em 2011. É o mesmo que dizer que a cada 1000 pessoas 5 não chegam ao mínimo previsto para atender as necessidades alimentares básicas de seus membros.

Se você observar a pobreza à luz das variáveis como idade e sexo do chefe da família, verifica-se que são os pequenos a maioria dos afetadas pela pobreza extrema em todas as áreas geográficas. Famílias chefiadas por mulheres têm níveis mais elevados de pobreza do que aquelas chefiadas por homens, em todas as áreas.

Pobreza

A incidência da pobreza, tanto individual quanto nas famílias, tem mostrado um declínio constante no país desde 2006. Durante o ano de 2011, em todo país, as famílias abaixo da linha da pobreza são estimadas em 9,5%, representando uma redução de 3,1 pontos percentuais em relação a 2010. Então, em um universo de mil, em 2011, 95 famílias são pobres, enquanto em 2010 esse número foi de 126.

Considerando a incidência da pobreza em pessoas desde 2006, houve um declínio do indicador para todas as regiões. A estimativa de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza para 2011 é de 13,7%, representando uma redução de 4,9 pontos percentuais em relação a 2010. Ou seja, a cada mil pessoas, 137 não ultrapassas o rendimento mínimo para cobrir as necessidades alimentares e os alimentos básicos.

Al considerar la estimación según áreas geográficas, se constata una proporción mayor de personas bajo la línea de pobreza en Montevideo (16,7%) y en las localidades urbanas del Interior del país con menos de 5000 habitantes (16,2%). En cambio el Interior rural del país presenta una incidencia menor al 10 por ciento (6,0%).

Ao considerar a estimativa de acordo com áreas geográficas, vemos uma maior proporção de pessoas abaixo da linha da pobreza em Montevidéu (16,7%) e localidades urbanas do interior do país com menos de 5000 habitantes (16,2%). Em contraste, o interior rural do país apresenta uma incidência de menos de 10% (6,0%).

A idade e a ascendência racial são atributos de indivíduos que permitem identificar a população mais vulnerável e com maiores possibilidades de experimentar os efeitos da pobreza. São crianças e adolescentes e a população afrodescendente os que têm a maior proporção de seus membros abaixo da linha da pobreza.

Fonte: LaRed21

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=179489&id_secao=7

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br