20/08/2012 12:00 am

Unasul apoia demanda do Equador contra Reino Unido

Unasul apoia demanda do Equador contra Reino Unido

 

Os países da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) realizaram neste domingo (19) uma reunião em caráter de urgência a pedido do Equador diante das ameaças britânicas contra a soberania deste país.

 

O foro contou com a presença do secretário-geral do organismo, Ali Rodriguez Araque, para examinar a situação criada depois da advertência feita pelo Reino Unido ao Equador sobre a possibilidade de invadir a embaixada do país sul-americano em Londres para prender Julian Assange.

 

Os chanceleres da União de Nações Sul-Americanas, reunidos em Guayaquil, manifestaram solidariedade ao Equador e pediram às partes que continuem “o diálogo em busca de uma solução aceitável para os dois países”, diz a declaração conjunta, lida por seu secretário-geral, o venezuelano Ali Rodríguez.

 

No texto, os ministros declaram “solidariedade e apoio ao governo do Equador ante a ameaça de violação da sede de sua missão diplomática”, e reiteram “o direito soberano dos Estados de conceder asilo”. Também condenam a “ameaça de uso da força entre os Estados”, e reafirmam “o princípio do direito internacional de que não se pode invocar o direito interno para deixar de cumprir uma obrigação do direito internacional”.

 

Alba

 

Na véspera, a Alba realizou uma reunião que concluiu com um apoio contundente de seus Estados-membros ao direito do Equador de conceder asilo ao jornalista australiano.

 

Os países da Alba também rechaçaram o comunicado do Reino Unido enviado a Quito alegando uma lei interna que contradiz a Convenção de Viena sobre relações diplomáticas, de 1961, e outros tratados alusivos ao tema.

 

Ao explicar a posição de seu país, o presidente Rafael Correa e o chanceler Ricardo Patiño assinalaram que comprovaram indícios acerca dos temores demonstrados por Assange da possibilidade de ser enviado aos Estados Unidos para ser julgado por espionagem.

 

 

Correa e Patiño disseram que durante as negociações se esgotaram todas as alternativas para que tanto a Suécia como o Reino Unido dessem garantias de que não extraditariam Assange a um terceiro país.

 

Patiño considerou uma torpeza o comunicado britânico em que se esboçou a ideia de entrar na embaixada equatoriana em Londres e afirmou que seu país saberá responder a qualquer agressão deste tipo.

 

O chanceler equatoriano disse ainda que o Equador está disposto ao diálogo mas sem pressões nem condicionamentos à soberania.

 

Foro de São Paulo

 

Reunido neste fim de semana na capital paulista, o Grupo de Trabalho do Foro de São Paulo, articulação de forças de esquerda anti-imperialista na região latino-americana e caribenha, manifestou apoio e solidariedade ao governo do Equador e seu presidente, Rafael Correa, no caso da concessão de asilo político a Julian Assange.

 

A declaração aprovada no evento rechaça as ameaças do governo britânico de, a qualquer custo, submeter Assange à prisão e colocá-lo à disposição dos Estados Unidos.

 

Os partidos de esquerda assinalam que é necessário respeitar a extraterritorialidade das embaixadas e a integridade física de todo o pessoal diplomático. A violação destes princípios abriria um precedente gravíssimo, ameaçando as bases da diplomacia, diz o documento, que termina fazendo um apelo a todos os governos para que solicitem ao governo britânico que conceda o salvo conduto para que Assange possa viajar ao Equador.

 

 

Da Redação do Vermelho, com agências

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=191616&id_secao=9

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br