16/06/2010 12:00 am

UFMA LANÇA LIVROS NA ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UFMA LANÇA LIVROS NA ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS
O lançamento ocorre hoje ás 18:00 horas, no Palácio Cristo Rei

O Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFMA realizará, dia 16 de junho, a partir das 18h,acontece no Palácio Cristo Rei, o lançamento de livros oriundos de cinco dissertações defendidas por alunos do mestrado entre 2005 e 2007. Na solenidade serão apresentados estudos que tratam de temáticas variadas como economia informal, ecologia, saúde e doença, religião, sociabilidades e gênero.

Os livros a serem lançados são Economia, Cotidiano e Sociabilidade no Comércio de Rua: o caso de São Luís, de Cosme Oliveira Moura Júnior, “Arribando aos Mururus”: os pescadores de Tefé, o conflito e a busca pelo desenvolvimento sustentável em Mamirauá, de Arinaldo Martins de Sousa, Pajés, Curadores e Encantados: pajelança na Baixada Maranhense, de Christiane Mota, Um Olhar sobre a Tradição: relacionando campo religioso e campo intelectual, de Marilande Martins Abreu e Amores e Desamores em Querelas Jurídicas: relações de gênero em processos-crime de defloramento – São Luís (1890-1925), de Rosiana Freitas da Silva.

Os livros serão vendidos no local por R$ 20,00 e mais informações na Secretária do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFMA, pelo telefone 33018352.

Segue abaixo o resumo das obras:

Economia, Cotidiano e Sociabilidade no Comércio de Rua:
o caso de São Luís, de Cosme Oliveira Moura Júnior, propõe-se a compreender o “comércio de rua” do centro de São Luís/MA, a partir da “observação cotidiana dos seus principais atores” (comerciantes e clientes), da análise de entrevistas e de reuniões de lideranças. O autor questiona a vinculação direta entre o tipo de atividade investigada com idéias de “ilegalidade” e “informalidade”, haja vista a constatação de processos de reestruturação e regulamentação que permitem considerar a constituição de “novos setores socioeconômicos”. Para sustentar seus argumentos, lança mão de dados estatísticos sobre os “camelôs”, atenta para a “divisão do trabalho e organização sócio-espacial”, descreve a dinâmica de trabalho dos sujeitos e apresenta os “aspectos sociais da relação de troca” no “comércio de rua” da capital.

“Arribando aos Mururus”:
Os pescadores de Tefé, o conflito e a busca pelo desenvolvimento sustentável em Mamirauá, de Arinaldo Martins de Sousa, aborda a situação da pesca praticada por moradores da cidade de Tefé/AM e seu contexto de “crise na capacidade de suporte do ecossistema e de conflito com comunitários da região do Médio Solimões”. Mediante o exame de eventos, depoimentos, observações e registros, o autor discute questões como a pesca comercial enquanto atividade tradicional da região e sua relação com a conservação de recursos prevista pelo socioambientalismo; a emergência de conflitos decorrentes da criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RSDM) na década de 1990; e as dificuldades enfrentadas pelos pescadores; assim como as estratégias acionadas pela Colônia de Pescadores Z-4 no sentido de superá-las.

Pajés, Curadores e Encantados:
pajelança na Baixada Maranhense, de Christiane Mota, se centra na análise de três terreiros da pajelança, situados na sede do município de Bequimão/MA. Tomando como fonte privilegiada de dados observações etnográficas e entrevistas com pajés, consulentes e participantes, a autora busca desvendar as “representações de saúde e cura a partir das experiências de adoecimento e sofrimento vivenciadas” por “sujeitos que recorrem aos tratamentos terapêuticos da pajelança”. A ênfase recai sobre essa prática religiosa que se insere no universo das religiões afro-brasileiras, na qual não há uma distinção clara entre “curar” e “tratar”, em que há a possibilidade de estabelecimento de uma gama de interações entre as pessoas e na qual o pajé ocupa um lugar central de mediação entre “homens” e “encantados”.

Um Olhar sobre a Tradição:
Relacionando campo religioso e campo intelectual, de Marilande Martins Abreu, problematiza a interferência entre o que é chamado de “campo científico” e de “campo religioso afro-maranhense” e seus efeitos sobre as “representações sociais dos agentes dos terreiros de tambor de mina” no Maranhão. Mais especificamente, se detém na observação do terreiro de Margarida Mota e o Terreiro do Justino, sendo este último o mais antigo da capital (fundado em agosto de 1896), focalizando e relativizando as definições e apropriações de categorias como “tradição” e “terreiros tradicionais”. Segundo a autora, essas são formas de classificação privilegiadas nos estudos acadêmicos das religiões afro-brasileiras e também adotadas pelos grupos de tambor de mina como estratégia para “continuarem existindo enquanto religião afro-brasileira em São Luís”.

Amores e Desamores em Querelas Jurídicas: relações de gênero em processos-crime de defloramento – São Luís (1890-1925), de Rosiana Freitas da Silva, se debruça sobre o “papel da punição no crime de defloramento” entre 1890 e 1925. Cotejando 64 autos e inquéritos, códigos penais e criminais, obras jurídicas e jornais, a autora visa trazer à tona a “imbricada rede de tensões e poderes” que explicitam o lugar e as identidades socialmente legítimas de “homens” (“acusados”) e “mulheres” (“ofendidas”) naquele período. Orientada pela percepção histórica dessas “categorias sociais constituintes dos sujeitos de gênero”, a discussão desdobra-se na apresentação da conjuntura social de emergência da “honra feminina” como problema social e jurídico relevante; na ponderação sobre as estratégias de normalização acionadas no discurso jurídico; e na busca das determinações e “motivações sócio-emocionais que alicerçavam” as “relações de intimidades”.

Lugar: Campus do Bacanga/SLZ
Fonte: Marina Farias/ASCOM/PPPG
Notícia alterada em: 16/06/2010 09h09

FONTE: http://www.ufma.br/noticias/noticias.php?cod=8507

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br