18/11/2010 12:00 am

SUPERCOMPUTADOR CHINÊS FAZ PENTÁGONO TREMER NAS BASES

SUPERCOMPUTADOR CHINÊS FAZ PENTÁGONO TREMER NAS BASES

Sessenta e um anos após o triunfo da Revolução Chinesa, a República Popular da China criou o mais rápido supercomputador do mundo.

Por Stephen Millies, no Workers World

Conforme o professor da Universidade do Tenessee, Jack Dongarra, o supercomputador Tianhe-1A, da China, é 47 por cento mais rápido que o mais veloz supercomputador dos Estados Unidos. Tianhe, que significa “Via Láctea”, é mais rápido que 175 mil laptops reunidos (www.metro.co.uk).

Supercomputadores podem resolver problemas científicos muito complexos, incluindo nisso a pesquisa médica e a previsão do tempo, para ajudar as pessoas.

O Complexo Militar-Industrial dos Estados Unidos usa supercomputadores para simular as detonações de armas nucleares.

O mais rápido supercomputador estadunidense, o XT5 Jaguar, está localizado no Laboratório Nacional de Oak Ridge, no Tenessee. Essa instalação fez parte do Projeto Manhattan, que fabricou as bombas atômicas que assassinaram milhares de pessoas nas cidades de Hiroshima e Nagasaki.

Reis Ocidentais tomaram as invenções chinesas como a pólvora e o compasso e as utilizaram para desencadear o Holocausto Africano — o comércio transatlântico de escravos — e para exterminar os povos nativos do continente americano. Karl Marx mostrou como o mercado mundial capitalista nasceu do “sangue e do pó” por meio desses gigantescos crimes.

A monarquia britânica invadiu a China em 1841, porque os chineses pararam de importar o ópio dos capitalistas britânicos. Por mais de um século, os chineses foram humilhados e atirados à miséria, com milhões deles assassinados pelos ingleses. Assim como foram instaladas placas nos Estados Unidos e na África do Sul proibindo a entrada ou permanência de negros, durante a época do Apartheida, o Reino Unido instalou placas em parques chineses nas quais podia-se ler: “Proibida a entrada de cachorros e chineses”.

Um triunfo do planejamento socialista

A Revolução Chinesa mudou tudo isso. Mao Tse Tung declarou, em 1º de outubro de 1949, que “a China pôs-se de pé”.

Entretanto, nos últimos 30 anos, a China acabou se imiscuindo no mercado capitalista mundial. A corporação taiuanesa Foxconn, o maior fabricante mundial de componentes eletrônicos, emprega sozinha 420 mil operários na região de Shenzhen.

Mas a Foxconn e outros empresários não têm nada a ver com o supercomputador mais rápido do mundo. Foi o estado socialista da China que construiu o Tianhe-1A.

A despeito da introjeção do capitalismo e da reestruturação da indústria estatal, bilhões de dólares foram alocados pelo estado socialista para construir este computador. O planejamento econômico socialista foi o responsável por essa maravilha da tecnologia.

Em comparação, a Índia capitalista de centenas de milhares de talentosos cientistas na área de computação. Bangalores, naquele país, é o quartel-general da Wipro, uma empresa que emprega 120 mil operários. Ainda assim, a Wipro e outras empresas capitalistas da Índia não conseguiram construir o supercomputador mais rápido do mundo.

A União Soviética supreendeu o planeta ao lançar ao espaço o Sputnik (Companheirinho, traduzido do russo), o primeiro satélite artificial da Terra, em 1957, no 40º aniversário da Revolução Russa. Esse exemplo vívido do poder do planejamento socialista centralizado também alarmou os feitores da guerra no Pentágono, que ao mesmo tempo assistiam atônitos seus prosaicos foguetes explodirem nas rampas de lançamento do país.

A China ainda avança no desenvolvimento

Ao mesmo tempo que produziu mais de 500 milhões de toneladas de aço em 2009 e fabricou mais carros que os Estados Unidos, a China ainda é um país em desenvolvimento. Em muitas áreas ainda está atrasada em relação às economias capitalistas desenvolvidas — um dos grandes problemas que revoluções socialistas que triunfaram em países empobrecidos por séculos de colonização e imperialismo enfrentaram. 

A resposta dos líderes chineses em relação à necessidade de tecnologia moderna foi convidar o capital estrangeiro, e muitos deles estão hoje profundamente preocupados com a cada vez maior desigualdade social que isso implicou.

Porém, em poucos anos a China deu um salto gigantesco em Ciência e Tecnologia, o que significa que necessitará cada vez menos das forças capitalistas hostis para construir sua economia. Ao mesmo tempo, protestos em massa por melhores salários e condições de trabalho se intensificaram.

Uma série de medidas pró-classe trabalhadora foram adotadas. Foram dadas pensões e aposentadorias a 140 milhões de trabalhadores imigrantes em 2007. No mesmo ano, uma lei sobre a assistência médica foi aprovada, garantindo atendimento na área de saúde a virtualmente toda a população.

Os sindicatos chineses forçaram o McDonald’s e o Wal-Mart a assinar contratos. Um exemplo enorme a essas duas corporações monstruosas que empregam cerca de 1,8 milhão de trabalhadores nos Estados Unidos, que são explorados impiedosamente por elas. Os detratores da China não informaram o mundo dessas conquistas sindicais chinesas.

Construir o supercomputador mais rápido do mundo mostra que a China tem o essencial para fortalecer seu desenvolvimento no rumo de uma economia socialista. Como o Sputnik, o Tianhe-1A é uma grande vitória contra Wall Street e o Pentágono.

Fonte: Workers World

FONTE: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=141744&id_secao=9

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br