3/02/2011 12:00 am

SOBRAM VAGAS NA UNIVERSIDADE E INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO

SOBRAM VAGAS NA UNIVERSIDADE E INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO

Após o período de três dias para realizar as matrículas nas instituições de ensino superior, a quantidade de vagas não preenchidas é maior que o número de inscrições efetuadas no Maranhão. No Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifma) na capital e no interior do estado, apenas 519 alunos efetivaram as matrículas, um percentual de 47% do total de vagas disponibilizadas. Nesta primeira etapa, o instituto ofereceu 1.110 vagas, em 28 cursos distribuídos nos dez campi. Na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) também sobram vagas. 

A situação foi observada inclusive nos cursos de Direito e Administração, que em edições anteriores do Enem estiveram na lista dos mais disputados. Neste ano, das 100 vagas para o curso de Direito, nos turnos matutino e noturno, apenas 74 foram ocupadas. Já em Administração, sobraram 20 vagas. Todas as vagas não preenchidas serão disponibilizadas na próxima chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), prevista para a sexta-feira, dia 4.

Um raio que atingiu a Universidade Federal do Maranhão no último domingo, dia 30, acarretou na lentidão do processo de totalização de matrículas. Segundo a assessora de comunicação da universidade, Gisele Marques, devido à descarga elétrica computadores e telefones não estão funcionando. “A maior parte do sistema de dados da UFMA está fora do ar, por isso a totalização do número de matrículas ainda não foi concluída. O prejuízo fica em torno dos 100 mil reais”, acrescentou.

Para o diretor de Ensino Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifma) no campi São Luís/Monte Castelo, Cláudio Leão Torres, uma explicação plausível para a ociosidade das vagas é a concorrência com estados de outras regiões, sobretudo, Sul e Sudeste.
“A clientela do próprio município não consegue a pontuação suficiente para ocupar as vagas disponíveis. Acredito que o grande problema do Enem seja a ampla concorrência com cidades, cujo sistema educacional é mais desenvolvido. É possível verificar que a maioria dos inscritos é de outros estados. Um exemplo é o curso de Biologia em Buriticupu, que somente dois candidatos efetuaram a matrícula. Foram oferecidas 40 vagas, dentre os pré-selecionados apenas oito eram maranhenses”, ressaltou Cláudio Leão Torres.

Dificuldades

Para os estudantes oriundos de outros estados, o principal entrave é a ausência de casa de apoio. A pedagoga da Diretoria de Ensino Superior (Desu) do Ifma, Luiza Carvalho de Oliveira, revela que alguns candidatos mostraram-se dispostos a preencher as vagas, porém enfrentam dificuldades com a estadia. “Recebi inúmeras ligações de estudantes questionando sobre a casa universitária. Quando falava que a instituição não disponibiliza casa aos universitários, imediatamente eles desistiam, pois alegavam que não tinham condições para arcar com os custos de estadia”, afirmou.

 

fonte: http://www.oimparcialonline.com.br/noticias.php?id=71333

 

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br