23/10/2012 12:00 am

Sem democracia, Paraguai não volta para o Mercosul

Sem democracia, Paraguai não volta para o Mercosul

 

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou, nesta segunda-feira (22), que as eleições, por si só, não garantem o retorno do Paraguai à União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e ao Mercado Comum do Sul (Mercosul). Também não existe a possibilidade de o país ser reintegrado aos blocos regionais antes de abril, quando se realizam as eleições presidenciais, ao contrário do que foi especulado pela imprensa nos últimos dias.

Baseados em uma declaração de Patriota, os jornais brasileiros começaram a cogitar a possibilidade de o país vizinho poder voltar ao Merscosul e Unasul antes mesmo da realização das eleições. Patriota teria dito que, “em tese”, o Paraguai poderia voltar, caso os presidentes dos demais países entendessem que há no país “uma plena vigência democrática”. Nesta segunda (22), o ministro fez questão de desmentir os boatos.

 

“Não há indicação de que a suspensão do Paraguai seja revogada sem que haja algum fato que garanta a plena vigência da democracia. Sem eleições, é difícil que haja mudanças. Mesmo depois das eleições, a situação tem de ser observada”, disse Patriota.

 

No início de novembro, membros da Unasul se reunirão em Lima, capital do Peru, para discutir a suspensão, que foi ratificada em agosto passado. Segundo Patriota, no entanto, não deverá haver nenhuma mudança em relação ao tratamento dado ao Paraguai.

 

Golpe de Estado

 

Em 22 de junho passado, o então presidente paraguaio, Fernando Lugo, sofreu processo de impeachment que durou menos de 36 horas, o que gerou discordância entre membros da comunidade internacional, que consideraram o ato quebra de constitucionalidade, uma vez que Lugo não teria tido direito à ampla defesa.

 

Com Agência Brasil

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=197011&id_secao=7

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br