8/11/2010 12:00 am

SÃO LUÍS TEM 9,5% DA SUA POPULAÇÃO ACIMA DO PESO

SÃO LUÍS TEM 9,5% DA SUA POPULAÇÃO ACIMA DO PESO

Número de operações de redução de estômago em São Luís saltou de 60, em 2008, para mais de 120, em 2009 e procura continua crescendo.

Ronald Robson 

Avelino André Veiga Júnior, 46 anos, pesa 180 quilos. “Jarrão”, “Miudinho” – eis dois dos apelidos que já couberam àquele que, entre os anos de 1991 e 2003, foi por sete vezes eleito Rei Momo do carnaval maranhense. “Não basta ser gordo. Tem que ter dicção, boa apresentação, ser um bom personagem”, ensina. É-lhe impossível passar por uma catraca de ônibus. Em avião não é pequeno o incômodo provocado pela estreiteza dos assentos. Subir a ladeira que passa à porta de sua casa, no Bequimão, é esforço penoso. Mas não é isso que vai lhe impedir de comandar o bloco carnavalesco “As Melindrosas”, que puxa há 20 anos. E nenhuma dificuldade decorrente da sua condição física irá lhe tirar o prazer de ser reconhecido nas ruas como o “Rei Momo motense”. “Eu sou uma espécie de torcedor-símbolo do Moto Clube”, orgulha-se.

A obesidade, para Veiga Júnior, só é um “problema” na vaga medida em que representa riscos futuros para sua saúde. Por hora, ele mantém pressão arterial, batidas cardíacas, níveis de glicerina e colesterol normais, o que, segundo diz, leva-o a nem sequer cogitar submeter-se a uma cirurgia bariátrica (redução de estômago). E, não sendo problema de saúde, não só não lhe é motivo de desgosto como até funciona, aliás, como fator incontornável na formação de seu caráter. “Na minha família os homens são fortes, mas só eu tenho massa desse jeito. Mas nunca, em lugar algum, me considerei desrespeitado ou diminuído por isso”, comenta, sorrindo.

Problema crescente

Veiga Júnior, embora não integre o bloco dos descontentes, faz parte das estatísticas alarmantes docrescimento da obesidade no Brasil. De acordo com pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde em 2006, São Luís, embora fosse a capital com o menor índice nacional, estava com 9,5% de sua população adulta acima do peso (o que inclui mero sobrepeso e obesidade, mórbida ou não). Ainda que não haja dados oficiais, estima-se que nos últimos quatro anos o percentual tenha crescido: segundo dados da Pesquisa deOrçamentos  Familiares 2008-2009 do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), 50,1% dos homens estão acima do peso, quanto às mulheres o índice sendo um pouco menor (48%).

FONTE: http://www.oimparcialonline.com.br/noticias.php?id=64228

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br