9/02/2012 12:00 am

Risco de pobreza ou exclusão social aumenta na União Europeia

Risco de pobreza ou exclusão social aumenta na União Europeia

 

De acordo com os dados divulgados nesta quarta-feira (8) pelo Eurostat, autoridade estatística da União Europeia (UE), cerca de um quarto da população europeia (23,4 por cento) corre elevado risco de pobreza ou de exclusão social. Esta percentagem representa 115 milhões de europeus. No conjunto dos 27 países que compõem a UE, a proporção de indivíduos considerados em risco de pobreza subiu 0,3 pontos entre 2009 e 2010.

A Eurostat considera “em risco de pobreza” aqueles com renda 60% menor do que a média nacional, as que sofrem uma “grave privação material” (quando não podem pagar o aluguel e comprar itens básicos) e as que usaram menos de 20% do seu “potencial de trabalho” no último ano, sem contar os estudantes.

 

De acordo com os dados, 25,3% das pessoas em Portugal estão ameaçadas de pobreza ou exclusão social. Mais de 2 milhões de portugueses viviam em 2010 sob uma de três formas de exclusão social: risco de pobreza, situação de privação material grave ou vivendo em agregados familiares com uma intensidade de trabalho muito baixa. Uma em cada quatro crianças portuguesas já é pobre.

 

Na Espanha a situação é semelhante: 25,5% da população estava em risco de pobreza em 2010, o que significa aumento de 2,1

pontos em relação ao ano anterior. Em 2010, a Espanha foi o 8º país da UE com maior proporção da população em risco de pobreza.

 

Já o Reino Unido foi o que apresentou um dos aumentos mais significativos no número de pobres entre 2009 e 2010 (de 22% para 23,1%).

 

Dentre os Estados-membros com dados disponíveis, os com mais risco de pobreza são: Bulgária (42%), Romênia (41%), Letônia (38%) e Lituânia (33%). A República Tcheca teve a menor taxa, de 14%, seguida da Suécia e Holanda (ambas com 15%) e Áustria, Finlândia e Luxemburgo (os três com 17%).

 

Em toda a UE, a parcela mais afetada da população são os menores de 18 anos, com 27%, seguida pelos em idade ativa (18 a 64 anos), com 23%, e dos maiores de 65 anos (20%).

 

Por outro lado, os idosos são o grupo mais afetado pela pobreza na Bulgária (56%), Eslovênia (23%), Finlândia (19%) e Suécia (16%), enquanto a Dinamarca é o único estado-membro onde a pobreza é mais frequente entre as pessoas em idade ativa (19%) do que em seus outros grupos de população.

 

Com agências

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=175265&id_secao=9

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br