6/12/2010 12:00 am

REGIÃO DA MACARONÉSIA ABRE PORTAS À COOPERAÇÃO ATLÂNTICA, DIZ O GOVERNO

REGIÃO DA MACARONÉSIA ABRE PORTAS À COOPERAÇÃO ATLÂNTICA, DIZ O GOVERNO 

A criação, no próximo domingo, da região da Macaronésia, com os Açores, Madeira e Canárias, vai abrir portas ao reforço da cooperação em muitas áreas, disse hoje o primeiro-ministro de Cabo Verde. 

José Maria Neves, entrevistado pela Rádio de Cabo Verde, salientou que a “cimeira” constitutiva da Macaronésia, a realizar sábado e domingo no Mindelo (ilha de São Vicente), vai permitir o incremento da cooperação cabo-verdiana com Portugal e Espanha e, sobretudo, com os restantes três arquipélagos. 

“Estou particularmente satisfeito com a possibilidade de, dia 12, podermos criar a região da Macaronésia e criar condições para uma forte cooperação entre quatro arquipélagos que têm muito em comum”, disse. 

“Abre possibilidades de cooperação em áreas como os transportes aéreos e marítimos, tecnologias de informação e comunicação, segurança marítima, investigações oceanográficas, ensino superior, ciência e cultura e também as questões ambientais”, salientou. 

Em relação a esta última questão, José Maria Neves salientou que os quatro arquipélagos “têm de fazer face” às mudanças climáticas, ao aquecimento global e aumento do nível das águas do mar, o que, com a criação da Macaronésia, trará “oportunidades enormes” de cooperação. 

Falando da “grande vitória da diplomacia cabo-verdiana” e reivindicando a autoria da proposta, “prontamente aceite por Portugal e Espanha”, o primeiro-ministro de Cabo Verde salientou a importância da iniciativa, reiterando a intenção de criar uma zona de paz, estabilidade e desenvolvimento económico. 

“É um dos maiores ganhos da diplomacia cabo-verdiana, porque vamos conseguir criar uma âncora fundamental para Cabo Verde, para o crescimento económico e para a competitividade da economia cabo-verdiana, mas sobretudo para a criação de uma zona de paz, de estabilidade e de cooperação para o desenvolvimento para esta região do Atlântico”, sublinhou. 

Em relação às presenças na “cimeira”, em que se previa inicialmente a ida ao Mindelo dos primeiros-ministros de Portugal, José Sócrates, e Espanha, José Luis Zapatero, o chefe do executivo da Cidade da Praia indicou que as agendas dos seus homólogos estão “extremamente complicadas”, pelo que virão seus representantes. 

De Portugal, disse, estará presente o chefe da diplomacia portuguesa, Luís Amado, e de Espanha um dos vice-presidentes do Governo, aguardando-se ainda a conformação de quem representará os Açores, Madeira e Canárias, regiões ultraperiféricas (RUF) da União Europeia (UE). 

Segundo José Maria Neves, para a “cimeira” foram também convidados representantes da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África ocidental (CEDEAO) e da presidência das RUF da UE. 

“A agenda é, neste momento, extremamente complicada, mas há um empenhamento forte na realização desta cimeira e no comprometimento de todos na criação da região da Macaronésia”, concluiu.

 

FONTE: http://www.noticiaslusofonas.com/view.php?load=arcview&article=28963&catogory=Cabo%20Verde

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br