14/08/2012 12:00 am

Protestos e greve geral têm forte adesão na Tunísia

Protestos e greve geral têm forte adesão na Tunísia

 

Tunisianos protestavam nesta terça-feira (14) contra o governo em Sidi Bouzid, berço da revolução de 2011, onde também ocorre uma greve geral que contou com uma forte adesão, segundo diversas fontes.

 

Os manifestantes e grevistas protestavam contra a repressão a movimentos anteriores, de julho e da semana passada, e reivindicaram a libertação de pessoas detidas nos episódios.

 

Um jornalista da AFP constatou que apenas açougues foram abertos, para que os muçulmanos pudessem fazer suas compras para a Noite do Destino, que celebra a revelação do Corão ao profeta Maomé durante o mês de jejum do Ramadã.

 

De acordo com um membro da Frente do 17 de Dezembro, uma das organizações que convocaram a greve, houve 90% de adesão ao movimento. A manifestação reuniu centenas de pessoas, entre opositores políticos, sindicatos e representantes dos empresários. “O povo quer a queda do regime”, cantavam os manifestantes, que exigiam a libertação das cerca de 40 pessoas detidas na região desde o fim de julho.

 

Na quinta-feira passada, em Sidi Bouzid, em torno de 800 manifestantes que protestaram contra uma intervenção policial e contra o governo, dominado por islamitas de Ennahda. Eles atiraram pedras contra as forças policiais, que respondeu com balas de borracha e gás lacrimogêneo. Além disso, milhares de tunisianos protestaram na noite de segunda-feira contra as ameaças aos direitos da mulher e contra Ennahda.

 

O movimento da segunda-feira, convocado por organizações feministas, de defesa dos direitos humanos e da oposição, foi organizado no dia do aniversário da promulgação do Código de Estatuto Pessoal, de 13 de agosto de 1956, que reúne um conjunto de leis que instaurou a igualdade dos sexos em vários aspectos.

 

Ennahda está no centro de uma polêmica provocada por um projeto de artigo da Constituição adotado na Assembleia Nacional Constituinte em 1º de agosto e que ameaça os direitos da mulher. O partido islamita, à frente de uma coalizão formada com dois partidos de centro-esquerda, desmente querer afetar as prerrogativas da mulher e afirma que a igualdade entre os sexos está mencionada no preâmbulo da futura Carta Magna.

 

Fonte: AFP

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=191206&id_secao=9

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br