6/07/2010 12:00 am

PROPOSTAS DE REDUÇÃO DA FLORESTA DO JAMANXIM SÃO INCENTIVOS À GRILAGEM E AO DESMATAMENTO, DIZ MPF/PA

PROPOSTAS DE REDUÇÃO DA FLORESTA DO JAMANXIM SÃO INCENTIVOS À GRILAGEM E AO DESMATAMENTO, DIZ MPF/PA

Estado do Pará e produtores rurais querem diminuição de até 80% da área

O Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) vai criar uma equipe para investigar de perto a tramitação dos projetos de lei e decretos legislativos que objetivam a redução ou extinção da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim, uma das unidades de conservação mais atingidas pela devastação ambiental no estado. Para o MPF, as propostas são incentivos à grilagem e ao desmatamento da área.

Localizada em Novo Progresso, no oeste do Pará, a floresta tem 1,3 milhão de hectares. Organizações de produtores rurais do município querem que a área seja reduzida para 400 mil hectares, enquanto que o governo do estado apresentou proposta de redução para aproximadamente 300 mil hectares.

Segundo a proposta do governo paraense, dos atuais 1,3 milhão de hectares, 580 mil deixariam de ser área de conservação, 33 mil seriam destinados a um assentamento e 400 mil hectares seriam transformados em área de preservação ambiental (APA).


“Na prática, a proposta apresentada pela governadora Ana Júlia Carepa é ainda mais prejudicial aos interesses da Floresta Nacional do Jamanxim do que aquela apresentada pelas organizações de Novo Progresso, na medida em que uma APA caracteriza-se como uma unidade de conservação com reduzidas limitações, admitindo a ocupação humana e a existência de propriedades privadas”, avalia o procurador da República Marcel Brugnera Mesquita, que solicitou ao MPF em Brasília (DF) a realização do acompanhamento dessas propostas no Congresso.

“As propostas apresentadas pelo estado do Pará e pelas organizações de Novo Progresso, se aprovadas, representarão um incentivo à grilagem de terras públicas, seja através da invasão de áreas ainda não ocupadas, com o aumento do desmatamento, seja através da regularização de posses impassíveis de regularização fundiária, muito provavelmente através do fracionamento de grandes áreas e o uso de laranjas”, diz Brugnera Mesquita.

Além das propostas de produtores rurais e do governo paraense, há um projeto de decreto legislativo do deputado federal Zequinha Marinho (PMDB-PA) para anulação do decreto presidencial que criou a Flona. O projeto está na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara.

Criada em fevereiro de 2006 pelo Decreto presidencial nº 10.770, a Flona do Jamanxim está localizada a noroeste da BR-163, na divisa entre os estados do Pará e Mato Grosso.

Informe do Ministério Público Federal no Pará, publicado peloEcoDebate, 06/07/2010

FONTE: http://www.ecodebate.com.br/2010/07/06/propostas-de-reducao-da-floresta-do-jamanxim-sao-incentivos-a-grilagem-e-ao-desmatamento-diz-mpfpa/


CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br