5/12/2012 12:00 am

Professor avalia desafios do ensino médio no Brasil

Professor avalia desafios do ensino médio no Brasil

 

A comissão especial que estuda a reformulação do ensino médio realizou, nesta terça-feira (4), audiência pública com o professor Moaci Alves Carneiro, autor da obra “O nó do ensino médio”. O deputado Chico Lopes (PCdoB-CE), que solicitou o debate, explicou que a obra de Moaci Alves apresenta uma análise das deficiências do ensino médio brasileiro, “tendo muito a contribuir para a discussão deste tema”.

 

O especialista defendeu um salário inicial para o professor que tenha como parâmetro o salário dos professores do Distrito Federal. Um professor do DF com graduação tem remuneração inicial de R$3.069,08 por 40 horas semanais, incluídos nesse valor o salário-base e as gratificações. O professor sugeriu ainda um bônus para que o professor possa comprar livros e revistas científicas.

 

Outro nó do ensino médio apontado pelo professor é a infraestrutura precária das escolas públicas. Segundo ele, falta conservação dos prédios. Além disso, Carneiro disse que os insumos didáticos-pedagógicos, como livros e revistas, são inadequados.

 

O professor criticou ainda os currículos uniformes que, em seu entendimento, impossibilitam a incorporação de disciplina de interesse do lugar onde o aluno vive.

 

A distorção idade/série também foi mencionada pelo professor como um nó do ensino médio. Isso, segundo ele, dificulta o professor trabalhar os conteúdos das disciplinas. Faixas etárias diferentes, observou o professor, requerem um esforço muito maior por parte do professor para poder alcançar as necessidades de aprendizagem dos alunos.

 

Área laboral

 

Respondendo ao deputado Chico Lopes, que fez comentário sobre a falta de pessoas qualificadas para preencher as vagas, o professor Moaci assinalou que é preciso que as disciplinas tenham repercussão na área laboral do aluno. De acordo com o professor, o ensino médio não está oferecendo habilidade na área laboral. Ele afirmou não ter sentido estudar biologia, por exemplo, se o aluno não sabe verificar se a água de sua casa está poluída.

 

O professor Moaci Carneiro também falou sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ele considera que o Enem padece de uma ausência lamentável de participação do professor das redes públicas na sua elaboração. “Essa ausência é como um certificado de incompetência do professor da rede pública, fato com o qual não podemos concordar”, afirmou.

 

Na opinião do professor Moaci, o melhor formato seria cada estado organizar o seu sistema de avaliação, que receberia os resultados do Enem e repassaria para as escolas. Os professores mais experientes então estabeleceriam um planejamento da escola em cima dos resultados do Enem.

 

A comissão especial tem promovido diversas audiências públicas para ouvir representantes do governo e professores. Esses encontros ajudarão a elaborar um projeto de lei sobre o ensino médio.

 

Da Redação em Brasília

Com Agência Câmar

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=200529&id_secao=1

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br