2/03/2011 12:00 am

OTAN DISCUTE INTERVENÇÃO NA LÍBIA

OTAN DISCUTE INTERVENÇÃO NA LÍBIA

a Agência Lusa

Brasília – Embaixadores dos países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) estão reunidos em Bruxelas para discutir uma possível intervenção na Líbia.

Inglaterra e Estados Unidos pressionam para intervir na situação na Líbia, mas “não há consenso no seio da Otan para o recurso à força”, reconheceu ontem (1º) o secretário da Defesa norte-americano, Robert Gates.

A França mostrou oposição a uma intervenção. “Não sei qual será a reação da rua árabe, das populações árabes ao longo do Mediterrâneo se víssemos as forças da Otan desembarcar num território do sul-mediterrâneo penso que isso poderia ser extremamente contraproducente”, declarou o chefe da diplomacia francês, Alain Juppé.

Em termos práticos, a Aliança de 28 países tem os meios para estabelecer uma zona de exclusão aérea, apesar da complexidade e da exigência de meios para aplicar.

Essa medida já foi tomada nos Balcãs, na Bósnia-Herzegovina a partir de 1992. Neste caso a Otan agia com um mandado da Organização das Nações Unidas (ONU) e só o poderia fazer na Líbia nas mesmas circunstâncias. O que parece complicado, tendo em conta as divisões do Conselho de Segurança.

Face à degradação da situação na Líbia, os Estados Unidos e o Reino Unido poderiam, em teoria, decidir avançar sozinhos, contornando a ONU e a Otan, como no Iraque em 1991, após a primeira Guerra do Golfo.

O risco seria criar uma crise diplomática internacional e reavivar a divisão transatlântica como nunca visto desde a invasão do Iraque em 2003.

 

FONTE: http://agenciabrasil.ebc.com.br/ultimasnoticias?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_56_groupId=19523&_56_articleId=3201503

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br