8/07/2011 12:00 am

NOVA NAÇÃO NASCE AMANHÃ EM ÁFRICA

MILHÕES de sudaneses do sul vão testemunhar amanhã ao nascimento da 193ª nação do mundo, que será o 55º Estado do Continente Africano.

Uma cerimónia para içar a bandeira da República do Sul do Sudão, incluindo a assinatura da Constituição transitória pelo primeiro presidente do país, Salva Kiir, assim como paradas militares e danças tradicionais integram as celebrações da independência.

Em Juba, capital do novo país, são esperados 30 dirigentes africanos, entre os quais o Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, que discursará perante os seus pares e os milhões de sudaneses que se esperam assistam ao histórico acto. O MNE britânico, William Hague, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, também devem assistir às cerimónias.

Nas cerimónias também estarão o ministro da Habitação e do Desenvolvimento Urbano e Rural chinês, Jiang Weixin, enviado especial do presidente Hu Jintao. O Sudão tem sido um dos principais fornecedores africanos de petróleo para a China e cerca de 80 porcento das reservas localizam-se no Sul.

A independência Sul do Sudão foi decidida num referendo realizado entre 9 e 15 de Janeiro deste ano, quando mais de 98 porcento dos eleitores votaram a favor da secessão.

O referendo estava previsto no acordo de paz de 2005, que pôs fim a mais de duas décadas de guerra civil entre o Norte e o Sul, com um balanço superior a dois milhões de mortos, e cuja vigência termina a 9 de Julho.

O presidente do Conselho de Segurança da ONU disse na terça-feira que no dia 13 se deverá realizar uma reunião para recomendar que o Sul do Sudão seja admitido como o 193º membro da ONU, o que a Assembleia Geral da organização deve aprovar no dia seguinte. Peter Wittig, embaixador da Alemanha, adiantou que o Conselho realizará consultas intensivas sobre uma nova missão da ONU para o Sul do Sudão que incluirá uma força de paz, Polícia internacional e civis para ajudar o novo país a construir um governo democrático. Esta semana, o MNE egípcio, Mohammed Mursi, indicou que o Cairo nomeará o seu novo embaixador para Juba no mesmo dia em que o Sul do Sudão declarar a sua independência.

NOVO SURTO DE VIOLÊNCIA

Na quarta-feira, os EUA apelaram ao fim dos combates na região de Kordofan do Sul, na fronteira do Sudão e do Sudão do Sul, declarando-se muito preocupados com a actual situação das hostilidades. “Esta é uma necessidade urgente”, afirmou a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Victória Nuland.

Mais de 2300 pessoas morreram desde o começo do ano no sul do Sudão devido a confrontos tribais e à violência de rebeldes, segundo revelou ontem fonte da ONU.

Mais de 500 pessoas morreram só na última quinzena de Junho, segundo cifras da ONU, o que indica um agravamento da situação. No relatório anterior, em meados do mês passado, eram contabilizados 1800 mortos desde o começo de 2011.

A maior parte das novas mortes esteve relacionada com disputas por gado na região de Pibor, segundo agências humanitárias da ONU no sul do Sudão.

Grupos étnicos disputam há séculos o gado, parte vital da economia local. Mas o número de mortos tem aumentado porque, depois de décadas de guerra civil, a área está infestada de armas ligeiras. O governo do sul do Sudão acusa o norte de armar tribos rivais e de provocar insurgências para abalar o futuro país e manter seu controlo sobre ele. Porém, Cartum nega as acusações. Desde o fim do domínio britânico, em 1955, o norte e o sul do Sudão mantiveram conflitos quase ininterruptos até 2005 por causa de questões étnicas, religiosas e ideológicas e também pelo controlo do petróleo.
FONTE: http://www.tvm.co.mz/index.php?option=com_content&task=view&id=8495&Itemid=78

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br