15/05/2012 12:00 am

Não se deve descartar saída da Grécia do euro, diz chefe do FMI

Não se deve descartar saída da Grécia do euro, diz chefe do FMI

DA EFE, EM PARIS

A diretora-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Christine Lagarde, afirmou nesta terça-feira que a possibilidade de a Grécia sair da zona do euro “seria uma situação extremamente custosa e com grandes riscos, mas que somos obrigados a analisar de um ponto de vista técnico”.

Em uma entrevista à emissora de televisão France 24, Lagarde assinalou que, se o governo grego não respeitar os compromissos que contraiu, “terá de proceder a revisões”, entre as quais não descartou “uma saída ordenada da zona do euro”.

A outra possibilidade, segundo ela, seria “conceder tempo e financiamento suplementares”, mas isso caberia aos demais membros da zona do euro decidir.

Lagarde indicou que o futuro governo grego deve respeitar o essencial desses compromissos e lembrou que as ações adotadas até agora pela Grécia correspondem a 6% de seu Produto Interno Bruto (PIB).

CONCILIAÇÃO

A autoridade máxima do FMI, de passagem por Paris, afirmou ter se reunido com o novo presidente francês, François Hollande. Para Lagarde, é preciso buscar uma forma de conciliar as metas de crescimento propostas por Hollande com a austeridade defendida pela chanceler alemã, Angela Merkel.

“Nos parece imperativo consolidar o orçamento para reduzir o déficit e diminuir o peso da dívida de todas as economias avançadas. Mas facilitar o crescimento é indispensável para reduzir o déficit e permitir a criação de empregos”, indicou.

A responsável do FMI se mostrou convencida de que Hollande e Merkel chegarão a um acordo.

Lagarde aposta em uma política monetária que favoreça o crédito e, nesse sentido, disse que o Banco Central Europeu “tem margem” para reduzir suas taxas de juros.

No entanto, ela destacou que a prioridade é a redução do déficit, que tem de ocorrer de forma mais rápida nos países em situação mais grave, como Grécia e Espanha, do que em outros como a França.

“É preciso enfrentar reformas estruturais. É um imperativo. Não dão resultados em três meses, mas a médio prazo. Espanha e Itália já o fizeram”.

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1090732-nao-se-deve-descartar-saida-da-grecia-do-euro-diz-chefe-do-fmi.shtml

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br