13/08/2012 12:00 am

Mulher, seu voto não tem preço, alerta UBM

Mulher, seu voto não tem preço, alerta UBM

 

A União Brasileira de Mulheres (UBM) preparou um material para chamar a atenção sobre a questão de gênero nas eleições 2012. Confira, abaixo ou anexo, a íntegra do documento que está circulando na internet.

 

 

Nós, mulheres, conquistamos uma grande vitória ao eleger em 2010, a primeira mulher a presidir a 7 economia do mundo, e com uma trajetória política amalgamada pelos interesses do povo brasileiro.

 

Mas, é preciso avançar muito mais, pois somos 51,8 % do eleitorado brasileiro e não temos nem 10% de mulheres no Parlamento Brasileiro. Nós precisamos exercer plenamente o direito a cidadania e para isso é importante atuarmos na defesa de políticas públicas que venham a construir uma sociedade igualitária.

 

Em 2012, as cidades brasileiras estão vivendo momentos propícios para debates de grandes temas que atingem a população como a segurança pública, saúde, educação, emprego e desenvolvimento sustentável. E nós, mulheres, não podemos perder a oportunidade de apresentar a nossa opinião. Nas eleições de 2012, precisamos enfrentar o grave problema para a democracia brasileira da baixa inserção feminina nas instâncias de poder, e a UBM se compromete com essa luta de eleger mais mulheres que se identificam com o projeto

 

político de mudanças protagonizado pela Presidenta Dilma Roussef. Queremos prefeitas e vereadoras que tenham a responsabilidade de construir políticas públicas que consolidem os direitos sociais para o povo, propomos:

 

Saúde: defender o SUS, garantindo a ampliação de uma rede de atendimento digno e eficaz, e o acesso aos serviços com muito respeito ao nosso corpo e às diferentes fases de nossas vidas.

 

Educação: elaborar e fiscalizar conteúdos escolares e da mídia, que eduquem para o respeito

às diferenças, combatam os estereótipos e valorizem as mulheres. Garantia de escolas de período integral.

 

Trabalho: valorizar o trabalho sem discriminação e com carteira assinada; Licença-maternidade de 6 meses com garantia do emprego.

 

Violência: fazer cumprir a Lei Maria da Penha, garantir a implementação dos juizados especiais, a ampliação do número de casa abrigo e da rede de atendimento às mulheres em situação de violência. Capacitação dos profissionais que atuam nas DEAMs.

 

Queremos mais!

 

Cidades mais humanas, com  medidas que melhorem a vida cotidiana das mulheres, como  iluminação pública eficiente, equipamentos sociais, saneamento, esporte, cultura e lazer, transporte e habitação.

 

Mais participação das mulheres nos espaços de poder.

 

Instrumentos capazes de combater a mortalidade materna, inclusive implantando os Comitês de

Prevenção da Mortalidade Materna.

 

Defender e fiscalizar a implementação do III Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, não admitindo retrocessos.

 

Queremos a legalização do aborto.

 

Oportunizar autonomia econômica com incentivos para a cidadania das mulheres que garantam a participação em condições de igualdade, com formação profissional em horários especiais, criação e funcionamento de lactários e creches.

 

Fortalecimento e ampliação da democracia brasileira com a superação da subrepresentação feminina nas decisões em nosso país.

 

Participar da política é consolidar a democracia com mais poder; mais respeito; mais igualdade; mais justiça social. Por um mundo de igualdade, contra toda a opressão.

 

UBM

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=191086&id_secao=8

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br