17/08/2010 12:00 am

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA QUE AJUDARAM A ECONOMIA

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA QUE AJUDARAM A ECONOMIA

Uma palestra do professor José Eustáquio Diniz Alves* sobre a situação demográfica do Brasil, na Federação do Comércio do Estado de São Paulo, permitiu avaliar como o governo do presidente Lula da Silva foi ajudado pela grande transformação da população brasileira nos anos recentes, e que poderá ser confirmada pelo Censo do IBGE.

Raramente os economistas dão atenção à demografia, que no Brasil sofreu rápida mudança de rumo, com efeito profundo na conjuntura econômica que explica, em parte, o sucesso da política econômica e social. Reportagem no O Estado de S.Paulo.


A grande transformação foi desencadeada quando a taxa de fecundidade caiu para 1,8, permitindo prever, a longo prazo, uma estabilização da população, cujo número no ano de 2050 deverá estar entre um mínimo de 182 milhões e um máximo de 254 milhões de habitantes.

Essa evolução demográfica teve, no entanto, efeitos mais imediatos sobre a economia do País. Um crescimento menor da população produz uma queda mais acentuada de nascimentos – isto é, de pessoas inativas -, sem que de imediato o contingente de pessoas idosas aumente a ponto de representar maior peso para a Nação, fenômeno que deverá aparecer, daqui a alguns anos, numa pirâmide demográfica em que a população idosa será sustentada por um número menor de pessoas economicamente ativas.

A redução do número de crianças nas famílias também tem o efeito de elevar o número de mulheres trabalhando. Em 2007 as mulheres já representavam cerca de 60% da força de trabalho. Isso teve duas consequência importantes: em primeiro lugar, um aumento do poder aquisitivo nos lares, que passam a ter duas fontes de renda, o que lhes permite aumentar a cesta média de compras. Em segundo lugar, aumenta a população economicamente ativa, que em 2007 chegou a 52,1% do total da população.

Verifica-se, assim, que o atual governo não enfrentou escassez de mão de obra, mas apenas de mão de obra qualificada, em razão das falhas no sistema de ensino, apesar do aumento da escolaridade com a elevação da renda. É que a qualidade do ensino não melhorou, mesmo com o número de crianças crescendo menos.

A questão social no novo quadro demográfico levanta problemas complexos. Com o Bolsa-Família, o número de pessoas em condições de extrema penúria diminuiu, mas aumentou o número de pessoas pobres. Um dado interessante é que a classe mais satisfeita com a sua própria situação (78%) é a das pessoas que recebem um salário mínimo. O que pode explicar a mudança no quadro eleitoral.

Nota do EcoDebateNa reportagem o nome do Prof. José Eustáquio Diniz Alves foi grafado incorretamente e aqui foi devidamente corrigido.

** Nota do EcoDebateProf. José Eustáquio Diniz Alves, colunista do EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE.

EcoDebate, 16/08/2010

FONTE: http://www.ecodebate.com.br/2010/08/16/mudancas-na-demografia-que-ajudaram-a-economia/

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br