3/04/2012 12:00 am

Medicina cubana: acesso gratuito e universal

Medicina cubana: acesso gratuito e universal

 

Cerca de 135 mil trabalhadores cubanos da saúde participaram até esta terça (3) em missões de colaboração médica do seu país, um programa de trabalho iniciado há mais de meio século sob o princípio dos serviços gratuitos, do acesso universal e do internacionalismo.

 

Atualmente 38.868 profissionais da saúde, dos quais 15.407 são médicos, encontram-se em 66 nações, disse Yiliam Jimenez, diretora da Unidade Central de Cooperação Médica do Ministério da Saúde Pública de Cuba.

 

Durante a recente visita da diretora da Organização Mundial de Saúde (OMS), Margaret Chan, junto com diretores regionais da entidade, Jimenez explicou que a ajuda médica cubana começou desde o início da Revolução cubana.

 

Jimenez também lembrou o primeiro grupo que viajou para o Chile em 1960 para atender às vítimas do terremoto, e mais tarde em 1963 quando foi formada a primeira brigada de especialistas cubanos que trabalharam na Argélia.

 

Hoje, a estratégia de cooperação em saúde dispõe de variadas modalidades, desde o programa especial para Venezuela, através do Contingente Internacional de Médicos Especializados em Situações de Desastre e Graves Epidemias Henry Reeve, uma organização sem precedentes na história, disse Jimenez.

 

O início do Programa Integral de Saúde em 1998 como resultado dos danos causados pelos furacões George e Mitch na América Central, com o envio de funcionários, que ainda atuam em áreas rurais, sem distinção de raça, credo, ideologia, e respeitando as leis e costumes dos países.

 

O programa inclui também o estudo das pessoas com deficiência (feito na Venezuela, Equador, Nicarágua, Bolívia) e Operação Milagre, uma iniciativa de Fidel Castro, liderada desde 2004 pelos Governos de Cuba e Venezuela, que permitiu restaurar a visão de milhões de pessoas.

 

É muito importante destacar também a formação de recursos humanos por meio do projeto da Escola LatinAmericana de Medicina em Cuba e outros países, e outros programas de estudo de pós-graduação, o que permitiu graduar mais de 14 mil médicos de 122 países.

 

 

Fonte: Prensa Latina

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=179857&id_secao=7

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br