29/11/2010 12:00 am

LULA DEFENDE SOBERANIA E CRITICA EUA E FMI NA IV CÚPULA DA UNASUL

LULA DEFENDE SOBERANIA E CRITICA EUA E FMI NA IV CÚPULA DA UNASUL

No encontro que marcou sua despedida da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), o presidente brasileiro fez duras críticas aos Estados Unidos e ao FMI.

Os líderes do bloco aprovaram sexta-feira (26) a criação de um protocolo contra os golpes militares na América do Sul, prevendo sanções econômicas e políticos aos governos que forem impostos de forma antidemocrática. Na região, sempre é bom lembrar, as conspiração golpistas passam invariavelmente pelas embaixadas dos EUA.

O protocolo democrático estabelece a suspensão, do âmbito da Unasul, dos países que sofram golpes de Estado e autoriza os países vizinhos a aplicar um bloqueio comercial.

Contra o golpismo

Elaborada pelo Equador, que passou a presidência temporária do bloco à Guiana, a proposta chegou a gerar desentendimento entre os chanceleres da região sobre seus critérios de aplicação. Mas o documento final acabou sendo aprovado pelos presidentes.

“Banir os golpes de Estado da América do Sul – e temos que banir de toda a América Latina – é um compromisso da maior importância, e a Unasul mostrou que pode ajudar”, afirmou o chanceler brasileiro, Celso Amorim, a jornalistas em Georgetown.

A seu ver, a medida aprovada pelo bloco pode ajudar a evitar o efeito cascata de desestabilização na região, tendo como precedente a deposição do presidente hondurenho Manuel Zelaya, no ano passado.

Para Amorim, o mau exemplo de Honduras contribuiu para que os presidentes reagissem imediatamente durante a recente crise no Equador, que viveu, no final de setembro, uma tentativa de golpe contra o presidente Rafael Correa.

Antes de Correa, foram vítimas de tentativas golpistas os presidentes da Venezuela (abril de 2002) e da Bolívia (2008). Nos dois casos, os golpistas foram derrotados. Já em Honduras, os “gorilas” acabaram vitoriosos em 2009. As embaixadas norte-americanas tiveram participação ativa em todos esses movimentos.

“A carta democrática da Unasul será fundamental para afastar riscos à ordem institucional na região”, afirmou Lula em discurso na 4ª Cúpula da Unasul, em Georgetown, capital da Guiana

Elites submissas

“O que é importante é que não se pode abrir mão, em momento algum, de construir uma América do Sul forte, sem analfabetos, sem desnutrição, com avanço científico e tecnológico. Mas, sobretudo, uma América do Sul onde cada cidadão sul-americano tenha orgulho de ser do jeito que nós somos.”

Ao enaltecer a Unasul, Lula criticou os governantes sul-americanos das décadas de 1980 e de 1990 por não terem avançado na integração regional e também por terem aceitado os modelos econômicos ditados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Esses programas, com o mesmo caráter reacionário dos que estão sendo aplicados hoje na Grécia e Irlanda, eram vazios de conteúdo social, na opinião do presidente.

Ele também disse sentir-se ofendido quando via, no passado, fotos nos jornais dos técnicos do FMI desembarcando no Brasil. ao final de cada ano, para negociar as condições de novos empréstimos. Para ele, esses governos agiram de forma “submissa às elites” e desprezaram o conceito de soberania.
“Alguns países precisaram ser refundados”, declarou Lula, valendo-se de um termo caro aos líderes do bolivarianismo – além de Chávez, o boliviano Evo Morales e o equatoriano Rafael Correa.

Nova etapa

Lula voltou a criticar a reação dos EUA ao anúncio do acordo na área nuclear entre o Brasil, a Turquia e o Irã, em maio passado. Afirmou que os EUA jamais poderão resolver o contencioso com o Irã porque o país imperialista é um “criador de problemas”.

A Unasul inicia uma nova etapa, com a Guiana na presidência e o compromisso de dar novos passos para a integração regional e a consolidação da região como zona de paz. O relatório do presidente equatoriano, Rafael Correa, ao inaugurar a IV Cúpula em Georgetown em presença de seus homólogos da Argentina, Brasil, Colômbia, Guiana, Paraguai, Suriname, Venezuela e os chanceleres de Bolívia, Chile, Peru e Uruguai, traçou a pauta do encontro.

Uma ovação fechada foi a melhor homenagem ao primeiro Secretário Geral do bloco regional, o ex-presidente argentino, Néstor Kirchner, falecido recentemente e que recebeu o reconhecimento póstumo de todos no Centro Internacional de Convenções da Guiana.

Protocolo democrático

Ainda não se sabe quando se dará sua substituição até a próxima reunião dos mandatários em Mar del Plata, Argentina. A IV Cúpula esteve carregada de notícias transcendentes, como a aprovação do Protocolo Democrático para evitar futuras tentativas de golpes de Estado.

O documento aprovado foi de consenso, a única mudança realizada foi o de usar “protocolo” em lugar de “cláusula” que foi o termo utilizado pelos Chanceleres. O mandatário da Guiana, Bharrat Jagdeo, ao assumir a presidência pró témpore da Unasul destacou a importância de que este mecanismo de integração seja incondicional na aplicação do protocolo democrático lembrado por unanimidade.

“Independentemente das ideologias dos países que tenham suas democracias ameaçadas, afirmou Jagdeo, temos que assegurar que isto (golpes de Estado) não se passe em nossa região”.

Reconciliação 

Ao final do encontro outra notícia inesperada foi o anúncio de Correa e do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, da restauração plena de suas relações, interrompidas após o bombardeio colombiano a Angostura em março de 2008.

“O destino tem que ser traçado, não sofrido, os desafios são grandes, mas é maior ainda nossa esperança”, afirmou o presidente pró témpore que sai ao vislumbrar uma região de paz, sem bases militares estrangeiras e capaz de dirigir por si mesma seus próprios conflitos.

Da redação, com agências

FONTE: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=142472&id_secao=7

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br