15/04/2011 12:00 am

IPEA CRITICA MATÉRIA DO GLOBO QUE CULPA ASSENTADOS POR DEVASTAÇÃO

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nota à imprensa nesta quinta-feira (14) contestando matéria divulgada pelo jornal O Globo, na qual o diário usa os dados de um relatório do Ipea para afirmar que “mais uma vez, os assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) surgem como inimigos da conservação da Floresta Amazônica”. Segundo o Ipea, não há nada no relatório que permita fazer este tipo de afirmação. Veja, abaixo, a íntegra da nota:

Nota de esclarecimento do Instituto Ipea ao jornal O Globo

Foi publicada no jornal O Globo do dia 12 de abril deste ano a reportagem “Assentamentos ameaçam plano para barrar desmatamento da Amazônia”, escrita pela jornalista Catarina Alencastro.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) vem esclarecer que o documento citado na reportagem refere-se ao “Relatório Preliminar da Avaliação dos Resultados Atingidos pelo Plano de Ação de Prevenção e Controle do Desmatamento da Amazônia (PPCDAm)” elaborado por uma pareceria entre o Ipea, a Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e Caribe) e a GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit) a pedido do Ministério do Meio Ambiente e da Comissão Executiva do PPCDAm.

Como consta do próprio título do documento, o estudo em questão está em fase preliminar, não dispõe de achados conclusivos e seu relatório ainda não se encontrava pronto para ser divulgado amplamente. Espera-se concluir a avaliação em julho.

A despeito disso, é importante frisar que algumas das informações da reportagem não refletem o conteúdo do documento. Por exemplo, o estudo não aponta os assentamentos como um entrave à estratégia do governo de controle do desmatamento, tampouco afirma que o Incra dificulta a legalização dos assentados. E é exagero dizer que a regularização fundiária das unidades de conservação é o principal gargalo do PPCDAm

 

FONTE: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=152011&id_secao=6

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br