4/11/2010 12:00 am

ÍNDIOS PROTESTAM NA FRENTE DA FUNASA

ÍNDIOS PROTESTAM NA FRENTE DA FUNASA 

Comunidades reclamam das más condições de funcionamento da Casa de Apoio à Saúde Indígena

Val Sales

Um grupo de índios de várias etnias está acampado desde ontem de manhã na frente da sede da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) em Rio Branco.  Eles protestam contra as más condições de funcionamento da Casa de Apoio à Saúde Indígena (CASAI), localizada na estrada do Sobral, próxima à Via Verde.

“A comida é a mais cara de todas e a qualidade é péssima.  A sujeira predomina e os índios não têm sequer camas para se deitar.  Os doentes ficam deitados no ferro desses leitos”, destaca a coordenadora da Organização de Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira, Letícia Lúcia.

Ela, junto com parentes dos doentes que se encontram na (CASAI) chama a atenção do poder público para a problemática que envolve os índios que buscam auxílio de saúde no Estado.  Eles também criticam a aplicação dos repasses financeiros, que segundo os dirigentes do movimento, deveriam auxiliar os índios, mas não surtem o efeito que deveriam.

“Queremos chamar a atenção do Ministério Público, do governo e da própria prefeitura de Rio Branco, para que juntos apontem uma solução para o problema”, acrescenta Letícia Lúcia.  Os manifestantes possuem um documento com a ata de reunião realizada em 30 de outubro, no qual destacam as principais reivindicações, além de fotos que mostram a situação em que se encontra a alimentação e a estrutura da CASAI.

Ainda na manhã de ontem os manifestantes buscaram o apoio dos vereadores, que estavam em reunião resolvendo assunto referente à categoria dos mototaxistas.  Uma comissão dos índios deve ser recebida hoje pelos representantes políticos do município.

A planilha com as reivindicações das comunidades que utilizam a casa de passagem em Rio Branco contém uma solicitação de prestação de contas do recurso no valor de R$ 1,3 milhão, que seria depositado na conta da Secretaria Municipal de Saúde para a compra de materiais e equipamentos para a CASAI.

“Reivindicamos ainda a contratação imediata de enfermeiros e técnicos indígenas para o atendimento na casa, tendo em vista que o processo seletivo excluiu esses profissionais do quadro”, diz o documento.  Os pacientes pedem o fim do sistema de marmitas e reclamam de falta de medicamentos, material de higiene pessoal, saneamento básico e iluminação, entre outros.

FONTE: http://www.amazonia.org.br/noticias/noticia.cfm?id=370673

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br