6/07/2011 12:00 am

GREVE NA EMBRAPA, PARALISAÇÕES NO SETOR ELÉTRICO. O SERPRO E A DATAPREV QUEREM PAGAR MENOS DO QUE O

Categorias de estatais federais que também têm a data-base em Maio, como o Serpro e a Dataprev, não estão dando folga para as direções das empresas e governo/DEST (Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais). Na Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), os trabalhadores entraram em greve nesta terça-feira (28) em todo o país. Já no setor elétrico, os trabalhadores realizam paralisações constantemente para pressionar as empresas públicas a negociar e aguardam nova negociação.

 

Nas duas categorias e na Infraero o DEST, órgão responsável pelo controle das contas das empresas estatais, autorizou junto com as direções das respectivas empresas apresentar reajuste do IPCA integral. No entanto as direções do Serpro e da Dataprev, também empresas federais, propuseram na “negociação com a Fenadados”, sem nenhuma vergonha, pagar reajuste parcelado, que na prática significa menos que o IPCA do período, pois com o pagamento da 2ª parcela somente em novembro, haverá uma perda significativa.

 

Por que essa diferença no tratamento para com os trabalhadores, se todas são empresas estatais federais – ou seja, negociam sob o comando do DEST? Por que Serpro e Dataprev querem pagar menos do que o IPCA? Seria o velho jogo de começar bem rebaixado para depois chegar ao IPCA integral ou tem alguma outra razão? Lembremos que nossa categoria foi uma das poucas que teve, em 2009, acordo de dois anos e compensação total da greve.

 

Os trabalhadores da Embrapa e do setor elétrico estão em luta para avançar nas conquistas; assim como no Serpro e na Dataprev, os trabalhadores querem aumento real de salário e avanços nos benefícios. Somente a inflação (IPCA) é muito pouco para categorias que, ano após ano, sofrem com a desvalorização do salário. Na Embrapa, os trabalhadores lutam ainda contra o assédio moral e as recentes demissões, estas últimas também enfrentadas pelos trabalhadores da Dataprev.

 

A organização e a mobilização dessas duas categorias por melhores salários e condições de trabalho mostram a nós, do Serpro e da Dataprev, que a luta não será fácil. Também precisaremos pressionar e lutar por nossos direitos: melhores salários e condições de trabalho!

 

Serpro e Dataprev continuam a negar a negociação com os sindicatos do RS, BA, SE e SC

 

As direções das empresas, que não cansam de manifestar sua preferência em negociar com a federação, continuam a negar o direito legítimo de negociação com os sindicatos que se organizam na FNI (Frente Nacional dos Trabalhadores em Informática). Já prevíamos dificuldades, mas as empresas estão se superando e os trabalhadores têm dado a resposta a essa forma de atuação das empresas.

 

Fato Histórico, várias reuniões da federação com as empresas sem nenhuma consulta à categoria

 

A federação e os sindicatos aliados conseguiram mais uma proeza: não realizaram nenhuma assembleia deliberativa sobre a campanha salarial 2011, após as ditas mesas de negociação com as empresas. Surgiu a informação, através de sindicato que participa das mesas da Fenadados e Serpro, de que estariam tratando também da incorporação da FCT/FCA. Vamos ficar atentos, pois não aceitaremos mais “acordos” sem a participação dos  trabalhadores.

 

FNI, sindicatos e OLTs

 

FONTE: http://cspconlutas.org.br/2011/07/greve-na-embrapa-paralisacoes-no-setor-eletrico-o-serpro-e-a-dataprev-querem-pagar-menos-do-que-o-ipca/

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br