16/07/2012 12:00 am

Greve de eletricitários atinge todo o país

Greve de eletricitários atinge todo o país

 

Vinte e sete mil eletricitários de todo país cruzaram os braços desde segunda-feira (16) para reivindicar reajuste salarial, renovação das concessões das empresas de energia e a revisão na contratação dos trabalhadores. Segundo a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), está havendo terceirização da mão de obra. A adesão à paralisação acontece em todos os estados, com exceção do Tocantins, Ceará, Alagoas e Pernambuco (onde hoje é feriado), que aderem ao movimento na terça-feira (17).

A categoria, que tem data-base em 1º de maio, exige 10,73% de aumento, sendo 5,1% de reajuste da inflação do período, 3,47% referentes ao crescimento médio do consumo de energia elétrica nos últimos três anos, além de 1,5% de ganho real. Na quarta rodada de negociação, ocorrida na quarta-feira (11), as Centrais Elétricas Brasileiras (Eletrobras) ofereceram contraproposta de 5,1%.

 

“Adiamos a data final do acordo para dar mais tempo à empresa. Fizemos uma greve de advertência, mas agora, a Eletrobras se mostra irredutível. Já solicitamos uma audiência com o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, para que interceda na negociação. Agora, vamos aguardar”, declarou Fernando Pereira, diretor da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU).

A paralisação de advertência, de 72 horas, a qual se referiu o dirigente sindical, foi realizada nos dias 4, 5 e 6 de julho.

 

Há mais de 20 anos a categoria unificada não realizava greve por tempo indeterminado. A paralisação atinge praticamente todo o sistema (exceto Itaipu Binacional, cujos trabalhadores não estão na base da FNU), totalizando 14 empresas. Destas, oito são geradoras de energia (Eletronorte , Eletrosul, Eletronuclear, Chesf, Furnas, Cepel, CGTEE, Eletrobras Eletropar). As distribuidoras são Cepisa (Piauí), Ceal (Alagoas), Ceron (Rondônia), EletroAcre, Amazonas Energia, Boa Vista Energia (Roraima).

 

A decisão pela greve foi tomada em assembleias realizadas em todo país. A insatisfação também se dá pela falta de um Plano de Carreira e da divisão dos lucros.

 

“O balanço de 2011 demonstrou um lucro de R$ 5,7 bilhões. Então, nada mais justo do que repartir esse ganho com os trabalhadores. Também há muitas contratações terceirizadas, o que precariza as condições do trabalhador”, completou Fernando Pereira. Segundo ele, a Participação nos Lucros e Resultados varia entre 1,3 salário até 2,5 salários.

 

O rendimento dos trabalhadores também varia conforme o tempo de casa, entre R$ 1.800 e R$ 30 mil. “Quem ganha mais é uma minoria, que tem formação de nível superior e está concentrada em setores, como na Eletronuclear”, explicou o secretário da FNU.

 

No final da tarde desta segunda, a Eletrobras divulgou nota afirmando que a greve “está transcorrendo em clima de tranquilidade e respeito entre as empresas e sindicatos”.

 

Ainda de acordo com a nota, as atividades definidas como essenciais estão sendo minimamente preservadas para evitar prejuízos à população e usuários de energia elétrica em geral.

 

“As negociações do Acordo Coletivo de Trabalho Nacional foram encerradas em 11/07/2012. A Eletrobras ofereceu um reajuste de 5,1% a ser aplicado aos salários e benefícios, no que couber. Considerando o cenário internacional, com forte impacto sobre a economia do país, a empresa considera a proposta de reposição integral da inflação justa e adequada e espera que os trabalhadores compreendam os limites que se impõem e retornem ao trabalho imediatamente”, finaliza o comunicado.

 

O Ministério das Minas e Energia não confirmou a solicitação de audiência até o fechamento da matéria.

 

Deborah Moreira,

Da Redação do Vermelho

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=188639&id_secao=8

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br