29/11/2010 12:00 am

EUA: NOVO CENSO REVELA PAÍS MENOS RICO E MAIS POLARIZADO

EUA: NOVO CENSO REVELA PAÍS MENOS RICO E MAIS POLARIZADO

Na década de 1990, a fulgurante riqueza dos Estados Unidos contrastava com uma Europa estagnada, uma América Latina incapaz de superar suas crises e uma Ásia emergente, mas ainda muito débil no cenário internacional. Muitas análises viam como inevitável um “novo século americano” – ou seja, a extensão duradoura da hegemonia internacional de Washington.

Por Antônio Martins, no Outras Palavras

Quanta coisa mudou, em pouco tempo. Além de enfrentarem claras dificuldades para pautar a agenda global, os EUA são afetados por dores internas crescentes, segundo revelam os primeiros dados do censo populacional de 2010, comentados na edição desta semana da revista Economist. A população está mais pobre, as desigualdades avançam e a polarização social e política tende a dificultar a solução de questões nacionais relevantes.

Segundo os dados preliminares do recenseamento, a renda média das famílias caiu expressivos 7%, entre 2000 e 2009. Além disso, a queda foi desuniforme, afligindo mais intensamente as antigas regiões industriais. No Estado de Michigan, que já foi a meca da indústria automobilística, ela declinou 21,3%; em Indiana, Ohio e Carolina do Norte, entre 13% e 15%. Em cinco Estados a renda média cresceu (Wyoming, Dakota do Norte, Maryland, Louisiana e Alaska). Em quatro deles, o avanço deveu-se ao aumento das cotações de matérias-primas, um fenômeno que pode ser passageiro.

A população ainda é relativamente jovem, se comparada com outras nações ricas, mas está havendo polarização também quanto à faixa etária. Os Estados do Nordeste e do Meio-Oeste -os mais prósperos até há algumas décadas- estão encolhendo populacionalmente, e envelhecendo com rapidez. Um número expressivo de famílias jovens migra rumo ao Oeste, em busca de mais empregos e preços mais baixos (especialmente de imóveis).

O censo revela a força da imigração. O número de residentes nascidos em outros países cresceu 24%, na década. Etnicamente, os hispânicos (aqui incluídos os nascidos nos EUA) já são 21% da população com menos de 25 anos (são apenas 7%, entre os maiores de 65). Em alguns Estados, a população hispânica jovem é quase majoritária. No Arizona, chega a 42%. Mas em muitas partes, a sociedade não tem sido capaz de lidar com tal diversidade: o próprio Arizona adotou, este ano, leis anti-imigrantes claramente racistas, que despertaram protestos internacionais e estão sendo questionadas pelo governo central.

Há alguns anos, os sinais de diferenciação entre a sociedade já haviam sido estudados pelo jornalista Bill Bishop. Em uma série de reportagens depois transformadas em livro (The Big Sort, algo como A grande segmentação), ele revelou que, embora vivam num país extremamente diverso, os norte-americanos tendem a formar comunidades cada vez mais homogêneas entre si – porém muito distintas e pouco abertas umas às outras. Resenhas e parte do livro estão disponíveis na internet (em inglês).

Bishop revela que tal segmentação envolve tanto estilos de vida quanto escolhas políticas. Nas eleições presidenciais de 1972, apenas 28% dos norte-americanos viviam em condados onde a diferença de votos entre os candidatos democrata e republicano foi superior a 20 pontos percentuais. Em 2008, 48% dos eleitores já estavam em localidades com tal grau de polarização.

Esta tendência irá se refletir no Congresso recém-eleito, que toma posse em janeiro. Segundo um estudo do cientista política Keith Poole, da Universidade da Califórnia, sua composição será a mais polarizada desde 1865, quando terminou a Guerra de Secessão. Entre os republicanos, é marcante a influência do movimento ultraconservador Tea Party. Na bancada democrata tem peso inédito a ala mais à esquerda.

The Economist lamenta: os EUA estão diante de problemas graves. “Divergências crescentes não vão tornar nada fácil chegar a acordos sobre como resolvê-los”, diz a revista.

Fonte: Adital

FONTE: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=142269&id_secao=2

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br