8/08/2012 12:00 am

Economia francesa está à beira da recessão

Economia francesa está à beira da recessão

 

A economia francesa, vítima da grave situação da zona do euro, caminha para a recessão, disse nesta quarta-feira (8) o banco central do país, uma previsão que complica ainda mais a tarefa do governo de cumprir com seu orçamento.

 

Em julho passado o parlamento do país votou a favor de uma lei que muda o orçamento para 2012, aumenta impostos e congela gastos públicos, o que vai aprofundar ainda mais a recessão, caso ela se concretize a partir de agora.

 

Esta lei antecede a lei do orçamento para 2013, que exigirá de um esforço muito maior de corte do gasto, de até 33 bilhões de euros, de acordo com o Tribunal de Contas francês.

 

O consumo, um dos motores da economia francesa, aumentou ligeiramente em junho (0,1%), mas recuou em 0,2% no segundo trimestre de 2012, de acordo com o Insee.

 

Segundo o Banco de França, o Produto Interno Bruto (PIB) cairá 0,1% no terceiro trimestre do ano com relação ao segundo, após um recuo de 0,1% no segundo com relação ao primeiro trimestre do ano (projeção).

 

Caso essas previsões sejam confirmadas, a França terá apresentado dois trimestres consecutivos de contração da sua economia, o que caracterizaria sua entrada oficial em um quadro recessivo pela primeira vez desde 2009.

 

O Instituto Nacional de Estatística (Insee) publicará na próxima terça-feira sua primeira estimativa de crescimento no segundo trimestre, uma cifra muito esperada pelo governo francês, por seus sócios europeus e pelos investidores.

 

Após encerrar 2011 com um crescimento de 1,7% – uma boa cifra levando em conta a situação europeia –, a economia francesa apresentou estagnação no primeiro trimestre do ano.

 

Segundo Jean-Paul Betbeze, economista-chefe do Crédit Agricole, as cifras ruins publicadas nesta quarta-feira pelo banco não são nenhuma surpresa e sim uma consequência da crise europeia e da desaceleração do crescimento mundial.

 

“Esses fatores reforçam a insegurança dos consumidores, que passam a gastar menos, e afeta os empresários, que reduzem seus investimentos”, explica o analista.

 

Betbeze, que espera “uma melhora no final deste ano”, prevê um crescimento em 2012 entre 0,2 e 0,3% no máximo e crê que a saída da crise “será extremamente lenta”.

 

Orçamento complicado para 2013 No início de julho o governo havia revisado também para baixo suas próprias previsões e aposta agora em um crescimento de 0,3% em 2012 e de 1,2% em 2013, frente às anteriores cifras de 0,4% e 1,7%, respectivamente.

 

O ministro de Finanças, Pierre Moscovici, reconheceu na semana passada que estava “preocupado” com o crescimento, mas afirmou que não pretende revisar novamente para baixo as previsões para 2012.

 

A freada da economia francesa complica as coisas para o governo, que pretende reduzir o déficit público em 4,5% do PIB em 2012 e em 3% em 2013 para cumprir seus compromissos europeus.

 

Do Portal Vermelho, com agências

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=190658&id_secao=2

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br