23/06/2010 12:00 am

DESNUTRIÇÃO INFANTIL NO BRASIL TEM QUEDA DE 62% EM CINCO ANOS

DESNUTRIÇÃO INFANTIL NO BRASIL TEM QUEDA DE 62% EM CINCO ANOS
Atualmente, mais de 20 mil unidades básicas de saúde acompanham as condições alimentares dos brasileirostamanho da letra
A-A+Foto: Arpan Munier/ONU « AnteriorPróxima » Crianças desnutridas recebem comida em orfanato e brincam durante a refeição

A taxa de desnutrição em crianças menores de cinco anos no Brasil caiu de 12,5%, em 2003, para 4,8%, em 2008 – uma queda de 62%. A diarreia aguda, uma das maiores causas de mortalidade infantil, que havia causado 2.913 óbitos em 2003, fechou o ano de 2008 com 1.410 mortes – registrando uma redução de 51,6%, segundo dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional do Ministério da Saúde.

Atualmente, mais de 20 mil unidades básicas (específicas para família e postos de saúde) acompanham as condições alimentares dos brasileiros. São atendidas 6,7 milhões de famílias em situação de vulnerabilidade socioeconômica. O monitoramento nutricional e a redução da mortalidade infantil vai ao encontro dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

É a partir da antropometria (avaliação de peso e altura) que se verifica como está o consumo de alimentos entre as crianças e quais são as principais carências nutricionais. Para combater a desnutrição, o SUS disponibiliza gratuitamente suplementos alimentares à população.

“Os suplementos garantem o nível adequado de nutrientes, mantendo o peso das crianças dentro de padrões recomendados pela Organização Mundial da Saúde”, explica a coordenadora de Alimentação e Nutrição do MS, Ana Beatriz Vasconcelos. Ela destaca que a Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN) promove efetivamente maiores cuidados com a alimentação do brasileiro por meio das Equipes da Saúde da Família (ESF) ou nos postos de saúde.

O Programa Saúde da Família é uma importante ferramenta para o diagnostico nutricional da população, incluindo as crianças. São 30.782 equipes, agindo em 5.268 municípios, dando cobertura para 97,3 milhões de pessoas.

O diagnóstico nutricional é o instrumento primário para identificar qualquer distúrbio na nutrição dos indivíduos. Estas equipes estão em contato direto e permanente com a comunidade e conhecem o perfil e as carências dela.

O diagnóstico é a primeira etapa para qualquer intervenção. As ações adotadas podem ir desde o encaminhamento dos pacientes para uma atenção especializada, a prescrição medicamentosa, ou a complementação alimentar.

“O combate à desnutrição de crianças é imprescindível tanto para erradicar a fome quanto para diminuir a mortalidade infantil”, avalia Ana Beatriz Vasconcelos. Por isso, esses dois ODMs devem ser alcançados antes do prazo estipulado pela ONU.

FONTE: http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/8472/saude-publica/desnutricao-infantil-no-brasil-tem-queda-de-62-em-cinco-anos

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br