18/01/2011 12:00 am

CURITIBA (PR): FORÇA PARANÁ ORIENTA SINDICATOS A ENTRAREM COM AÇÃO JUDICIAL PELA CORREÇÃO DO IR

CURITIBA (PR): FORÇA PARANÁ ORIENTA SINDICATOS A ENTRAREM COM AÇÃO JUDICIAL PELA CORREÇÃO DO IR

A não correção da tabela de Imposto de Renda corrói os aumentos salariais e os salários dos trabalhadores. Defasagem desde 1995 passa de 70%.
 
 
A Força Sindical do Paraná está orientando, a partir desta semana, os sindicatos filiados à entidade a entrarem com uma ação na Justiça Federal para corrigir a tabela de Imposto de Renda, cuja defasagem nos últimos anos causou grandes perdas aos trabalhadores. O que impulsionou a luta foi o fato de que a tabela do Imposto de Renda, que nos últimos quatro anos teve reajustes anuais de 4,5%, não teve correção para o ano-base 2011. Com isso, a defasagem desde 1995, que já superava 64%, deve passar de 70%, segundo cálculos do Sindifisco Nacional, entidade sindical que representa os Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil.
 
O que ocorre é que, com os reajustes salariais conquistados nos últimos anos, milhares de trabalhadores, que deveriam ser isentos se a tabela fosse reajustada corretamente, passaram a pagar o IR. “A não correção da tabela ameaça os aumentos salariais conquistados pelos trabalhadores em 2010. Se a tabela não for corrigida, os salários serão desvalorizados por causa do imposto”, afirma o secretário-geral da Força Sindical do Paraná, Clementino Vieira. 
 
Defasagem

Nos oito anos em que Fernando Henrique Cardoso presidiu o Brasil, apenas em 2002 a tabela de Imposto de Renda foi corrigida – nos outros sete anos, as faixas para pagamento do imposto ficaram congeladas. De 2005 para cá, todos os anos a tabela teve reajuste. Segundo dados da Receita Federal e do Sindifisco Nacional, no acumulado de 1995 a 2011 o IPCA foi de 223,26% e neste mesmo período a correção da tabela de Imposto de Renda foi de apenas 88,51%, ou seja, resultando em uma defasagem de 71,48%.

 

FONTE: http://www.fsindical.org.br/portal/conteudo.php?id_con=10674

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br