20/09/2010 12:00 am

CRISE FINANCEIRA AFETA EDUCAÇÃO EM PAÍSES POBRES, DIZ ENTIDADE

CRISE FINANCEIRA AFETA EDUCAÇÃO EM PAÍSES POBRES, DIZ ENTIDADE

Por Michelle Nichols

NOVA YORK (Reuters) – A Campanha Global pela Educação alertou na segunda-feira que a crise financeira interrompeu os avanços na educação infantil nos países pobres, um dos temas a serem discutidos nesta semana na reunião da ONU que irá avaliar o cumprimento das chamadas Metas de Desenvolvimento do Milênio.

Há 69 milhões de crianças fora da escola no mundo, segundo um relatório da campanha — uma coalizão de mais de cem entidades — que analisou os 60 países mais pobres do mundo.

Se todas essas crianças pudessem ser educadas para que deixassem a escola basicamente alfabetizadas, cerca de 171 milhões de pessoas poderiam ser tiradas da pobreza, diz o relatório.

“Se os cientistas podem modificar alimentos geneticamente e se a Nasa pode mandar missões a Marte, os políticos devem ser capazes de encontrar recursos para colocar milhões de crianças na escola e alterar as perspectivas para uma geração de crianças”, disse Kailash Satyarthi, presidente da Campanha.

Dez anos atrás, a ONU definiu as oito Metas de Desenvolvimento do Milênio, a serem alcançadas até 2015. Uma dessas metas é universalizar a educação primária e eliminar a desigualdade de gêneros em todos os níveis de educação.

“O impulso dos últimos dez anos ainda pode ser aproveitado para tornar a educação para todos uma realidade dentro de cinco anos”, disse o ex-premiê britânico Gordon Brown, membro da Comissão de Alto Nível da Campanha Global pela Educação.

“Se os orçamentos educacionais não forem protegidos dos danos da crise financeira, todo o progresso pode ser ameaçado, e gerações serão condenadas à pobreza”, afirmou.

O relatório estima que os países da África Subsaariana terão de reduzir 4,6 bilhões de dólares por ano dos seus orçamentos educacionais por causa da crise financeira global. Isso representa um corte de 13 por cento por aluno da escola primária.

O texto de 34 páginas lembra que as dificuldades econômicas resultam “da crise no sistema bancário do mundo rico” e afirma que “a meta que poderia ter maior impacto sobre o crescimento econômico, a melhoria da saúde e do bem estar social e o desenvolvimento é assegurar acesso universal à educação de boa qualidade”.

Segundo o relatório, a situação da educação primária é pior na Somália, Eritreia, Haiti e ilhas Comores.

O estudo faz várias recomendações, como a de que os países pobres dediquem 20 por cento dos seus orçamentos à educação, e que os países ricos dupliquem sua ajuda para a educação básica, chegando a 8 bilhões de dólares em 2011.

Na África Subsaariana, permitir que todas as mães concluam o ensino médio salvaria a vida de 1,8 milhão de crianças por ano, segundo a campanha.

FONTE: http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/09/20/crise-financeira-afeta-educacao-em-paises-pobres-diz-entidade.jhtm

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br