24/02/2011 12:00 am

CONSUMIDOR PAULISTANO COMPRA PRODUTOS RELACIONADOS À DEVASTAÇÃO DA AMAZÔNIA, APONTA ESTUDO

CONSUMIDOR PAULISTANO COMPRA PRODUTOS RELACIONADOS À DEVASTAÇÃO DA AMAZÔNIA, APONTA ESTUDO

Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil 

São Paulo – As grandes empresas que atuam no mercado da capital paulista continuam ligadas a crimes ambientais e sociais na Amazônia, mostra a pesquisa Conexões Sustentáveis. No entanto, o estudo anunciado hoje (23) pelo Fórum Amazônia Sustentável e do Movimento Nossa São Paulo mostrou redução dessa relação. 

“Um fato importante foi o lançamento dos pactos setoriais da pecuária bovina, da soja e da madeira. Eles representam um importante esforço de empresas que não querem ver seus nomes ou seus produtos associados à devastação”, destaca o estudo. 

A pesquisa analisou as cadeias produtivas da soja, carne e madeira – e rastreou os impactos na devastação da Amazônia até os varejistas que vendem esses produtos para o consumidor final. “São Paulo continua como a mais importante financiadora da devastação da Floresta Amazônica”, diz o estudo.

Na produção de soja, a pesquisa constatou que quatro grandes companhias, sendo três multinacionais, tiveram como fornecedor uma empresa que possuí áreas embargadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Mato Grosso. O grupo citado também é dono de uma propriedade instalada irregularmente na Terra Indígena Maraiwatsede. Segundo o relatório, essas empresas agrícolas acumulam R$ 58 milhões em multas por crimes ambientais.

Em relação à carne, cinco frigoríficos foram identificados como compradores de animais de um pecuarista que teve áreas embargadas pelo Ibama. Por conta do desmatamento irregular, o produtor foi multado em R$ 14 milhões. 

Os produtos finais fabricados com a soja e carne provenientes de fazendas infratoras são, segundo a pesquisa, revendidos por supermercados da capital paulista.

Na cadeia da madeira, o estudo mostra que o fornecedor de móveis para uma grande empresa de produtos populares comprou madeira de um produtor que figura no cadastro de áreas embargadas do Ibama. Além disso, o madeireiro mato-grossense também já constou na  “lista suja” do trabalho escravo, publicada pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
 
Edição: Rivadavia Severo

 

FONTE: http://agenciabrasil.ebc.com.br/ultimasnoticias;jsessionid=8BAA7355F9906CE1FBAC85D4ECEE89C5?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_56_groupId=19523&_56_articleId=3196811

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br