7/05/2012 12:00 am

Conservadores fracassam em tentativa de formar coalizão na Grécia

Conservadores fracassam em tentativa de formar coalizão na Grécia

DA FRANCE PRESSE, EM ATENAS
DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O líder conservador grego, Antonis Samaras, afirmou nesta segunda-feira que fracassou sua tentativa de formar uma coalizão governamental, depois das eleições legislativas de domingo (6).

“Fiz tudo o que pude para conseguir resultados, mas foi impossível”, disse Samaras, nomeado nesta segunda-feira pelo presidente da Grécia para tentar formar um novo governo, em um momento em que a maioria do novo Parlamento se opõe à atual política de austeridade.

O presidente da Grécia, Carolos Papulias, tinha pedido nesta segunda-feira a Samaras, líder da Nova Democracia (ND), primeira colocada nas eleições legislativas com 18,85% de votos e 108 vagas no Legislativo, para formar um governo com a cooperação de pelo menos outros dois partidos.

Os socialistas do Pasok, ex-aliados do ND no governo de coalizão desde novembro, só obtiveram 13,2% dos votos e 41 cadeiras. Assim, ambos os partidos, que somam 149 cadeiras no total de 300, não têm maioria e precisam de uma terceira formação.

Esta é a dificuldade em formar o governo, já que as outras cinco formações representadas no parlamento — três de esquerda e duas de direita, inclusive a neonazista Amanhecer Dourado (6,9% e 21 cadeiras) — contam com um total de 151 assentos em 300 e se opõem às medidas de austeridade.

GOVERNO PRÓ-EUROPA

Mais cedo, o líder socialista da Grécia, Evangelos Venizelos, voltou a pedir que seja formada uma coalizão pró-europeia para manter o país na zona do euro e reiterou que os termos do impopular resgate devem ser renegociados para diminuir o fardo sobre os gregos.

“Todas as forças políticas devem responder à necessidade do país para ser governado”, disse o líder socialista após participar de negociações com o líder do Nova Democracia, Antonis Samaras.

Venizelos afirmou que a Grécia deve renegociar os termos do resgate, reiterando que os cortes demandados pelo pacote devem ser divididos em três anos em vez de dois.

Também nesta segunda o diretor do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF, na sigla em inglês), Klaus Regling, afirmou que a saída da Grécia da zona do euro “seria catastrófica”.

“Se a Grécia sair da zona do euro, isso é claro teria um impacto enorme não apenas para outros países do programa, não apenas para os bancos, mas também para a própria Grécia”, disse Klaus Regling. “Seria uma catástrofe para a Grécia.”

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1086699-conservadores-fracassam-em-tentativa-de-formar-coalizao-na-grecia.shtml

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br