1/11/2012 12:00 am

Camponeses paraguaios se acorrentam em protesto contra Franco

Camponeses paraguaios se acorrentam em protesto contra Franco

 

No Paraguai, camponeses do distrito de Ñacunday, do departamento Alto Paraná, amanheceram nesta quinta-feira (1º), acorrentados nas cercas, em frente ao Congresso, em protesto contra o Governo e os legisladores por não atenderem suas demandas de terra.

 

Os camponeses pertencem à denominada Comissão Santa Luzia e quase 80 deles estão acampados há 24 dias na Praça de Armas, junto ao Parlamento, pedindo a expropriação das terras que, segundo denunciam, o empresário Tranqüilo Favero mantém ilegalmente em seu poder.

 

Durante as últimas semanas, estão no local acompanhados de suas mulheres e filhos, vivendo em condições difíceis em várias barracas e, inclusive, com vários deles em greve de fome, mas não conseguiram a atenção das autoridades governamentais ou congressionais.

 

O dirigente destes grupos, Federico Ayala, informou que, há quatro dias, perderam o acesso a sanitários próximos e se alimentam mal com o obtido pela caridade pública.

 

Na realidade, os manifestantes fazem parte de milhares de “carperos”, como se chama popularmente os camponeses sem terra que passam anos vivendo em barracas, situados nas proximidades do latifúndio de Favero, em Ñacunday, reivindicando sem sucesso a expropriação estatal desses terrenos.

 

Favero, de acordo com o assinalado por advogados que defendem os camponeses, mantém milhares de hectares de terra em seu poder, com a cumplicidade de juízes e fiscais, e inclusive se negou a vender uma parte delas ao Estado para distribuir aos camponeses.

 

 

Em várias ocasiões aconteceu a entrada em seus terrenos de grupos de sem terras para tentar forçar uma solução, mas imediatamente a promotoria e a polícia fizeram a desocupação.

 

Fonte: Prensa Latina

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=197975&id_secao=7

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br