26/10/2010 12:00 am

BRASIL DOA US$ 2 MI AO HAITI PARA COMBATE À CÓLERA

BRASIL DOA US$ 2 MI AO HAITI PARA COMBATE À CÓLERA

Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O Ministério das Relações Exteriores anunciou na noite de ontem (25) a doação de US$ 2 milhões para auxílio à população e ao governo do Haiti no combate à epidemia de cólera registrada este mês. O dinheiro será utilizado para a compra de remédios e para o fornecimento de equipamentos hospitalares.

O Brasil vai enviar também dois médicos epidemiologistas, que devem chegar ao Haiti ainda esta semana para ajudar as autoridades locais a montar uma estratégia contra a doença.

Por meio de nota, o Itamaraty informou ainda que o Ministério da Saúde estuda a transferência de recursos autorizados por crédito extraordinário para o escritório da Organização Pan-Americana da Saúde no Haiti.

As medidas foram tomadas em reunião coordenada pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, com participação de representantes dos ministérios da Saúde e da Defesa e do embaixador do Brasil no Haiti, Igor Kipman.

O governo brasileiro já havia anunciado, no último sábado (23), o envio de técnicos do Ministério da Saúde e de medicamentos e material hospitalar ao Haiti. Também por meio de nota, o Itamaraty informou que “o governo brasileiro acompanha com preocupação” os casos de cólera nas regiões de Mirebalais e Saint Marca – localizadas a cerca de 100 quilômetros da capital haitiana, Porto Príncipe.

A Embaixada do Brasil no país informou que o comandante militar da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), general Luiz Guilherme Paul Cruz, e o representante especial adjunto do secretário-geral das Nações Unidas para o Haiti, Nigel Fisher, já se deslocaram para as áreas mais afetadas. O objetivo é elaborar um plano de contingência caso a infecção atinja a capital.

Autoridades haitianas calculam em 250 as mortes provocados pela doença até o momento, além de um total de 3.342 infecções.

O terremoto que atingiu o Haiti em 12 de janeiro deste ano deixou cerca de 1,5 milhão de pessoas sem teto e matou cerca de 250 mil. Até hoje, milhares vivem em acampamentos, sem saneamento básico e com acesso limitado à água potável. Uma das hipóteses é que o surto de cólera tenha sido provocado pelo consumo de água contaminada do Rio Artibonite.

Edição: Juliana Andrade

FONTE: http://agenciabrasil.ebc.com.br/home;jsessionid=FE0F1BC02B2F8F4C21D8920A066C170F?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_pos=2&p_p_col_count=5&_56_groupId=19523&_56_articleId=1087083

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br