26/07/2010 12:00 am

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS DA SOJICULTURA EM UM ECOSSISTEMA AQUÁTICO DA MICRORREGIÃO DE CHAPAD

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS DA SOJICULTURA EM UM ECOSSISTEMA AQUÁTICO DA MICRORREGIÃO DE CHAPADINHA, MA

 

Título: Avaliação de impactos ambientais da sojicultura em um ecossistema aquático da microrregião de Chapadinha, MA
Autor Antonio Eduardo Pinheiro Presoti
Categoria Teses e Dissertações
Instituição [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES
Idioma Português
Área de Conhecimento INTERDISCIPLINAR
Nível Mestrado
Ano da Tese 2008

Resumo


Os estudos foram realizados na microbacia do Rio Preto, afluente pelo lado direito da bacia do Rio Munim. O rio Preto nasce ao sul do município de Buriti, coordenadas: 3°56’41.96″ Sul e 43° 2’31.40″ Oeste. Após percorrer cerca de 230 km, deságua no Rio Munim, na localidade de Nina Rodrigues, banhando os seguintes municípios: Buriti, Brejo, Milagres do Maranhão, Anapurus, Mata Roma, Urbano Santos, Chapadinha, São Benedito do Rio Preto e Nina Rodrigues. É uma região predominantemente rural, onde as atividades agrícolas vêm se intensificando nos últimos anos. Os municípios de Buriti, Anapurus, Mata Roma e Brejo vêm desenvolvendo uma agricultura intensiva, com destaque para a sojicultura. Com intuito de conhecer os níveis de contaminação por agrotóxicos no alto curso do Rio Preto, provenientes da sojicultura e de implicações destas contaminações de agrotóxicos na comunidade fitoplanctônica, foram realizadas quatro campanhas de amostragem em três pontos amostrais: Rio Preto – RP2 – latitude 3°51’47,70″S e longitude 43° 02’46,14″O, Rio Preto ? RP3 – latitude 3°43’19,98″S e longitude 43°00’40,32″O e Rio Preto ? RP4 – latitude 3°31’34,98″S e longitude 43°02’53,46″O. Estas campanhas foram realizadas no inicio de dezembro de 2007, final de janeiro, final de março e inicio de junho de 2008, considerando as duas primeiras campanhas realizadas no período de estiagem e as duas subseqüentes no período chuvoso. As datas das campanhas também visaram acompanhar o ciclo de plantio da soja, que começa na metade de janeiro e finda na metade de junho, com uma tolerância de dias para o inicio e fim do ciclo de plantio. Foram registrados, in situ, dados sobre a temperatura do ar e da água e, concomitantemente, coletadas amostras de água a 20 cm da superfície para análise das variáveis hidrológicas (pH, oxigênio dissolvido ? OD, condutividade, sólidos dissolvidos totais, turbidez, nitrogênio sob a forma nitrato e fósforo sob a forma fosfato); biológicas (densidade fitoplanctônica e os índices de riqueza, de eqüitabilidade e de diversidade) e análise de agrotóxicos (alaclor, aldrin, 2,4-D, 2,4,5-T, clorpirifós, clorpirifós-oxon, carbendazim, cipermetrina, monocrotofós, metamidofós, paraquate, thiram e carbofuran). Nas quatro campanhas de amostragem, nos três pontos amostrais (portanto, das doze tomadas de amostras), foi detectada a presença de agrotóxicos em onze das tomadas. Em termos numéricos, dos treze compostos investigados, oito foram detectados. Foi, inclusive, verificada a presença do produto organoclorado aldrin, cujo uso é proibido no Brasil desde a década de 80. Os estudos mostraram uma correlação entre o nível de contaminação de agrotóxicos e o impacto causado pelo aumento do número de células fitoplanctônicas no ponto amostral RP2. Dentre as espécies de fitoplâncton, Oocystis lacustris foi a espécie que apresentou um maior número de indivíduos em relação às outras espécies. A presença dos agrotóxicos e as alterações em populações de espécies fitoplanctônicas vieram comprovar, assim, os impactos ambientais provenientes das atividades sojicultoras na região.

In Domínio Públicohttp://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraDownload.do?select_action=&co_obra=166796&co_midia=2

Colaboração de Mayron Régis para o EcoDebate, 26/07/2010

FONTE: http://www.ecodebate.com.br/2010/07/26/avaliacao-de-impactos-ambientais-da-sojicultura-em-um-ecossistema-aquatico-da-microrregiao-de-chapadinha-ma/

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br