24/09/2012 12:00 am

Assembleia de bancários define próximas atividades da greve; MNOB realiza ato em SP

Assembleia de bancários define próximas atividades da greve; MNOB realiza ato em SP

A greve dos bancários continua e cresce com forte adesão da categoria. Até o momento, são mais de 9 mil agências fechadas  em todo país.

 

Nesta segunda-feira (24), às 16h, ocorre a assembleia  dos bancários para definir as próximas atividades da campanha salarial. Até o momento não foram apresentadas propostas  pela Fenaban ( Federação Nacional dos Bancos).

 

 A categoria enfrenta o impasse nas negociações em que a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) manteve a proposta de 6%, além de reposição da inflação, implicando num aumento real de apenas 0,58%.

 

MNOB realiza manifestação em SP – Segundo o membro do MNOB (Movimento Nacional de Oposição Bancária), Bento José, a  categoria tem realizado mobilizações para pressionar os bancos a apresentarem nova proposta. Hoje foi realizado um ato em frente ao prédio do COMPE do Banco do Brasil, em São Paulo, para convencer a adesão dos funcionários, que atualmente é de 60%, à greve da categoria. Cerca de 100 pessoas participaram da mobilização.

 

É possível negociar por fora da Fenaban – Bento deu o exemplo dos bancários de Brasília que encerram a greve na sexta-feira (21) após fechar um acordo por fora da mesa de negociação com a Fenaban. “A proposta ainda está aquém das necessidades dos bancários, o reajuste geral foi de apenas 6,5%, mas conquistou avanços na pauta especifica como licença paternidade de 10 dias, 9% de reajuste para os não comissionados, aumentou a gratificação dos funcionários que trabalham no caixa e o nivela ao Caixa Econômica Federal – que é o mais alto da categoria. Essas conquistas mostram que é possível negociar por fora da mesa da Fenaban e conquistar avanços  na pauta especifica dos bancários”, explicou.

 

O que o MNOB defende –  A pauta defendida pela Contraf-CUT, além do reajuste 10,25%, reivindica também PLR maior e piso de R$ 2,4 mil.   Diferente da Contraf -CUT,  o MNOB além das clausulas econômicas defende nesta campanha a reposição das perdas da categoria, que  desde 1994, chega a 24% em privados,  80% no  Banco do Brasil, e 90% na  Caixa Econômica Federal.

 

O movimento trata como prioridade nesta campanha  a luta pela jornada de seis horas sem redução salarial, isonomia para todos (mesmo direitos para antigos, novos e bancários de bancos incorporados), reposição das perdas salariais e ratificação da convenção 158 da OIT (que proíbe a demissão imotivada).

 

O MNOB segue apoiando a unificação da campanha com os trabalhadores dos Correios, petroleiros, metroviários, metalúrgicos e todas as outras categorias em luta.

http://cspconlutas.org.br/2012/09/hoje-tem-assembleia-de-bancarios-para-definir-proximas-atividades-da-greve/

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br