21/09/2012 12:00 am

Após Bancários, funcionários do SAMU também entram em greve; Correios também pode aderir

Após Bancários, funcionários do SAMU também entram em greve; Correios também pode aderir

Annyere Pereira

No terceiro dia de greve, os bancários do Maranhão apontam aumento no número de adesões. Em quase 100%, a categoria na capital se mostra resistente e nos interiores, em crescente apoio ao movimento, segundo o membro da diretoria do Sindicato dos Bancários do Maranhão (Seeb-MA), Eloy Natan. Em mais uma assembleia de avaliação realizada na noite de ontem, a comissão grevista classificou como positivo o andamento da greve. Hoje, a coordenação nacional grevista reúne para avaliar o movimento nas bases e definir os próximos passos. A Federação Nacional de Bancos (Fenaban) vem conversando com os empresários e acenou com a possibilidade de nova proposta ao sindicato da categoria, na próxima semana. “Não temos reunião marcada com os patrões, mas se a proposta apresentada vamos levá-la aos bancários para avaliação. Mas, por enquanto, a greve continua sem previsão de fim”, ressaltou Eloy Natan.

Hoje o movimento paredista completa quatro dias e ainda não há data para fim da paralisação, que já prejudica usuários dependentes de serviço que só podem ser resolvidos em banco. De lá pra cá a única alternativa que encontraram foi a das casas lotéricas, onde o movimento cresceu mesmo não recebendo todos os tipos de pagamentos. De acordo com a gerente Sueli Carvalho de uma casa lotérica situada na Praça João Lisboa, no Centro, a movimentação subiu bastante, ainda que só recebendo pagamento de boleto no valor de até R$ 700 e da Caixa boletos de até R$ 2 mil. 

A gerente acredita que os usuários saem prevenidos de casa já que quase anualmente os bancários realizam greve. Para atender bem ao cliente e não deixar que ele espere na fila mais do que o esperado explicou que todos os caixas estão funcionando, pois a demanda cresceu bastante e a ideia é que ainda aumente muito mais. 

Genialdo Melo Santana, de 23 anos, morador do bairro Bacanga saiu cedo de casa para efetuar um pagamento já que onde mora não possui opções. “Poderia ter pago o meu boleto em um local mais próximo de casa, mas fiquei impossibilitado e tive que me deslocar pro Centro. Já não temos muitas opções e com a greve dos bancários a situação piora”, acredita o autônomo. 

Dona Adélia do Socorro, de 45 anos, também foi prejudica já que saiu do Maracanã a fim de resolver um assunto no banco, mas foi barrada. “Me disseram (sic) que nada estaria funcionando e agora o que devo fazer?”, questiona a marisqueira, que precisará fazer uma viagem e pelo visto irá sem resolver o que deveria. “De onde moro pro Centro é muito distante, a única maneira agora é ter que esperar funcionar para poder voltar e saber o que fazer com o que já está acumulado”. 

As casas lotéricas do Anjo da Guarda estavam também com bastante movimento na manhã de ontem. Já nas da Liberdade a reportagem foi informada de que o movimento estaria normal. A gerente da Loteria Tropical localizada no Renascença II informou que a movimentação dos usuários está tranquila também. Acredita que pode ser pelo fato das pessoas ainda não terem recebido dinheiro para começar a efetuar pagamentos. 

GREVE DOS SERVIDORES DO SAMU
Os trabalhadores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) iniciaram na manhã de ontem greve por tempo indeterminado. Em conversa com o presidente da Associação de Servidores, Lindomar Gomes da Silva, ele informou que a greve é legítima e por isso irá funcionar apenas 30% por conta da precariedade da frota existente atualmente. Ou seja, apenas quatro ambulâncias irão atender a população e apenas em casos mais graves Serão três ambulâncias avançadas e uma básica. Dessa forma, a distribuição será feita da seguinte maneira: uma na Polícia Rodoviária Federal na BR-135, uma no posto do Corpo de Bombeiros no bairro Cohab e as outras duas irão permanecer na central do Samu, na Avenida dos Portugueses, na Vila Isabel.

Segundo Lindomar, as principais reclamações dos servidores do Samu são pelo fato de não possuírem estrutura para atender a população com qualidade, pois não possuem ambulâncias novas. Quando é solicitado atendimento chegam ao local até quatro horas depois, devido aos problemas que acontecem no meio do caminho. Ressaltou ainda que se não estivessem em greve apenas quatro ambulâncias de suporte avançado estariam funcionando. “É necessário a prestação de serviço de qualidade para a população da regional, que compreende os municípios de São Luís, São José de Ribamar e Paço do Lumiar porque são péssimas as condições de trabalho”, disse.

Além disso, as reivindicações também permeiam pela desvalorização e desprezo dos condutores socorristas que não são bem pagos, pois são reconhecidos como motoristas de veículo de pequeno porte. No entanto, a ambulância é um veículo especial. Também são explorados anos pós anos em seus direitos constitucionais (férias, 13º salário e quebra do princípio de isonomia salarial). 

Apesar de parte continuar trabalhando, o apoio ao movimento é de 100% dos servidores. Desses, a metade é profissional seletivado e a outra metade tem tanto seletivos quanto contratados também. “A gente precisa da compreensão de todos, quanto mais adeptos, mais rápido teremos o fim da paralisação. Há quatro anos nós temos indicadores de paralisação, mas só agora resolvemos de fato fazer a greve”, disse o presidente mostrando que essa foi a primeira vez que os servidores realizam a greve. 

PROCON ALERTA
Mesmo com a greve dos bancários e as casas lotéricas funcionando normalmente a Gerência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) deixou claro que a greve dos bancos não faz com que o consumidor deixe de efetuar o pagamento das suas contas até o vencimento. No entanto, até a data do vencimento, as contas podem ser pagas nos caixas eletrônicos, correspondentes bancários, débito em conta, internet banking, entre outros. Tendo em vista que o consumidor possui várias possibilidades para manter suas contas pagas dentro da data correta desde que busque meios alternativos para efetuar qualquer tipo de pagamento. 

Em casos em que as contas já se encontram vencidas e tiveram aumento por conta da greve o consumidor deve entrar em contato com o fornecedor para que viabilize forma alternativa de realização do pagamento no exato valor correspondente à data da solicitação. 

RESPOSTA OFICIAL
Até o fechamento desta edição a reportagem não conseguiu falar com a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal da Saúde (Semus) para falar sobre o caso. Já a Secretaria de Estado da Saúde informou que os responsáveis pelo Samu são o governo do estado, do município e o federal. No entanto, ficaram de mandar respostas sobre a paralisação através de emeio, mas não enviaram.

http://www.oimparcial.com.br/app/noticia/pais/2012/09/21/interna_pais,123277/apos-bancarios-funcionarios-do-samu-tambem-entram-em-greve-correios-tambem-pode-aderir.shtml

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br