3/11/2010 12:00 am

ALUNOS DA VILA MARANHÃO PARTICIPAM DE PROJETO SOBRE PLANTAS NATIVAS

ALUNOS DA VILA MARANHÃO PARTICIPAM DE PROJETO SOBRE PLANTAS NATIVAS 

73 estudantes do 4º ano do ensino fundamental da Escola Gomes de Sousa, localizada na Vila Maranhão participam do projeto

Disseminar informações sobre as árvores nativas no Maranhão; contribuir com a preservação das florestas e incentivar a conservação dos recursos naturais. Estes são alguns dos objetivos do projeto Plantas Nativas, desenvolvido desde agosto pelo Parque Botânico Vale e que conta com a participação de 73 estudantes do 4º ano do ensino fundamental da Escola Gomes de Sousa, localizada na Vila Maranhão. Nesta quarta-feira, 3/11, as atividades serão realizadas nas trilhas para que os estudantes possam conferir de perto as características das plantas estudadas e tirar dúvidas sobre o conteúdo.

Por meio de atividades teóricas e práticas, os estudantes aprendem sobre a formação das florestas, as formas de cultivo de mudas e a importância ecológica, social e econômica de cada espécie estudada. Desde o inicio do projeto, os alunos já visitaram as instalações do Parque, participaram de palestras, visitaram o viveiro de mudas e iniciaram experimentos com plantio de sementes de espécies nativas. No último encontro, além de visitas nas instalações do Parque, eles pintaram telas que retratam a flora maranhense.

“A atividade mais legal pra mim foi ter plantado a semente da juçara e da andiroba. Também gosto de visitar o viveiro e acompanhar o crescimento das mudas que plantei”, revela o estudante Jhozelfran Santos, 12 anos. Já Angla Silva, 11 anos, também participa do projeto e já reconhece no seu dia-a-dia a importância de conhecer e preservar o meio ambiente. “Acho importante conhecer as plantas nativas porque no lugar onde moro tem andiroba e outras plantas que estou estudando aqui”, destaca.

Ao todo serão realizados dez encontros semanais abordando temas como: estudos das árvores nativas; germinação e tipos de sementes; cuidados com a muda; irrigação, entre outros. Serão realizados também alguns experimentos de acompanhamento de formação de uma planta. “Buscamos por meio do projeto desenvolver nos estudantes o espírito conservacionista através do entendimento da origem e da importância dos recursos naturais, além de despertar hábitos e consciência crítica sobre as questões ambientais”, comenta a supervisora do Parque Botânico Vale, Marília Gabriela.

Os encontros são realizados uma vez a cada semana no Parque, mas o aprendizado adquirido é trabalhado diariamente em sala de aula. Para a professora Raiana Ribeiro, que acompanha os alunos durante os encontros e também na escola onde estudam, o projeto é de grande valia porque todas as atividades são reproduzidas em sala de aula e estão colaborando com a leitura, interpretação e escrita dos alunos.

Encerramento

Como proposta para o encerramento do projeto será realizada uma exposição de telas pintadas pelos alunos e espécie de plantas cultivadas por eles durante os encontros. Algumas plantas serão escolhidas para serem plantadas na escola onde eles estudam. As mudas serão identificadas e os estudantes participantes ficarão responsáveis por acompanhar seu desenvolvimento.

Outra ação do projeto é elaborar um livro com relatos das experiências de cada um e o olhar deles sobre as atividades desenvolvidas, as descobertas sobre a flora maranhense e a importância da conservação das espécies. O livro deverá conter ilustrações feitas pelos próprios alunos. O Parque Botânico Vale está localizado na Avenida dos Portugueses, s/n, Anjo da Guarda.

Confira informações sobre algumas árvores nativas estudadas no projeto

IPÊ-BRANCO (Tabebuia roseo-alba)

É conhecido como ipê-branco, pau d´arco e ipê do serrado. Assim como os outros ipês, o do tipo branco é largamente utilizado no paisagismo devido à sua floração e também pela folhagem verde azulada e pela forma de pirâmide da copa. É típica de terrenos secos, pedregosos e muito utilizados para reflorestamento. Pode chegar até 16m de altura.

IPÊ-AMARELO (Tabebuia serratifolia)

É conhecido como ipê-ovo-de-macaco, pau d´arco e piúva. É uma espécie muito usada no paisagismo por ser uma árvore belíssima quando florida. O pau d´arco pode atingir entre 8 e 20 metros de altura e possui pequenas sementes aladas de três centímetros que ficam protegidas em uma vagem. Sua madeira é pesada, dura e muito resistente. O ipê-amarelo está na lista das espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção. Na primavera, suas folhas caem e dão lugar a inúmeras flores amarelas, lembrando um buquê gigante.

IPÊ-ROXO (Tabebuia avellanedae)

É conhecido como pau d´arco-roxo. Sua altura atinge de 20 a 35 metros de altura. Produz anualmente grande quantidade de sementes, amplamente disseminadas pelo vento. A árvore é um grande espetáculo da natureza por apresentar flores em tons lilás, sendo uma espécie muito utilizada no paisagismo de muitas cidades brasileiras.

JUCÁ (Caesalpinia férrea)

A árvore de Jucá mede entre 10 a 15 metros. Floresce a partir do final de novembro e produz anualmente moderada quantidade de sementes. Possui pequenas flores amarelas que dão um toque delicado a árvore. É também uma árvore ornamental principalmente por sua copa arredondada, baixa e rala, podendo ser usada na arborização de ruas e avenidas. 

FONTE: http://www.oimparcialonline.com.br/noticias.php?id=63757

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br