19/09/2012 12:00 am

5.132 agências bancárias fecham em todo o Brasil, superando a adesão do ano passado

5.132 agências bancárias fecham em todo o Brasil, superando a adesão do ano passado

Nesta terça-feira (18), o balanço referente ao nível da paralisação dos bancários, apontou que  5.132 agências e centros administrativos dos bancos, em 26 Estados e no Distrito Federal, estavam fechadas.

 

O balanço, feito pela Contraf-CUT (Confederação Nacional), com base nos dados enviados até as 17h30 pelos 137 sindicatos que integram o Comando Nacional dos Bancários, mostra que a paralisação começou mais forte que a do ano passado, quando 4.191 agências foram paralisadas no primeiro dia.

 

Em Alagoas, Maceió, a greve superou a expectativas e  atinge 92% das agências.

 

Em Curituba, 212 agências e 13 centros administrativos estão com as portas fechadas.

 

Nas 61 agências de Bauru (SP), o número de adesão subiu para 25 no início da tarde de terça-feira, segundo balanço do sindicato da categoria com adesão estimada de 40%. Na região, ainda segundo o sindicato, outras 25 agências estariam aderindo à greve nesta terça-feira – em cidades como Avaré, Santa Cruz do Rio Pardo, Lençóis Paulista e Agudos.

 

O Sindicato dos Bancários de Maringá e Região fechou cerca de 60 agências bancárias da cidade a partir de hoje.

 

Em São Paulo, segundo o sindicato, a parcial mostra que 402 locais de trabalho, sendo 11 centros administrativos fecharam na manhã desta terça em São Paulo, Osasco e região. Estima-se que mais de 20 mil trabalhadores aderiram às paralisações.

 

No Rio Grande do Norte a adesão é forte. Em Natal, a tendência é permanecer com 80% de adesão com perspectiva de chegar a 90%.

 

Também entraram em greve a partir de terça, com adesão superior a 60%, de acordo com a Contraf/CUT, os trabalhadores do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília, Pernambuco, Acre, Niterói, Juiz de Fora, Florianópolis, Maranhão, Salvador, Belo Horizonte e Belém, entre outros.

 

A pauta defendida pela Contraf-CUT, além do reajuste 10,25%, reivindica também PLR maior e piso de R$ 2,4 mil.

 

Diferente da Contraf -CUT,  o MNOB além das claúsulas econômicas com a reposição das perdas, que  desde 1994, chegam a 24% em privados, nos públicos como  Banco do Brasil são superiores a 80% e na Caixa Econômica Federal a 90%.  E defende como prioridade na campanha salarial, a luta pela jornada de seis horas sem redução salarial, isonomia para todos (mesmo direitos para antigos, novos e bancários de bancos incorporados), reposição das perdas salariais e ratificação da convenção 158 da OIT (que proíbe a demissão imotivada).

 

A categoria enfrenta o impasse nas negociações em que a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) manteve a proposta de 6%, além de reposição da inflação, implicando num aumento real de 0,58%.

 

“Envolver a categoria, garantir democracia e unificar a luta com as outras categoria são políticas fundamentais para fortalecer a greve nacional bancária que começa nessa terça-feira”, enfatiza.

 

Todos ao ato unificado no dia 20  – O MNOB estará presente no  ato unificado que ocorrerá nesta  quinta-feira  (20), às 11h, em frente ao FIESP, na Paulista, próximo ao MASP.

 

O MNOB acredita que para o fortalecimento da campanha os bancários devem buscar a unidade com as outras categorias em greve.

 

“Acompanhamos recentemente a dura luta de servidores públicos federais. No começo, o governo Dilma se recusava a negociar com os grevistas, mas pressionada pela força do movimento, teve que ceder e atender a boa parte das reivindicações feitas pelos trabalhadores. Essa vitória só foi possível por que os diversos setores do funcionalismo unificaram suas lutas”, destaca em nota o movimento.

 

A nota ressalta ainda que esse exemplo deve ser seguido com a unificação da campanha com os trabalhadores dos Correios, petroleiros, metroviários, metalúrgicos e todas as outras categorias em luta.

 

“Fazemos um chamado para que cada bancário participe desse ato e ajude na ampliação desta convocação”, finaliza o movimento.

 

Com informações do MNBO, Contraf e Folha de S. Paulo

http://cspconlutas.org.br/2012/09/balanco-parcial-veja-adesao-dos-bancarios-a-greve-nacional/

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br