15/04/2010 12:00 am

2º DIA DE PARALISAÇÃO: PROFESSORES FAZEM PASSEATA EM DEFESA DA CAMPANHA SALARIAL

2º DIA DE PARALISAÇÃO: PROFESSORES FAZEM PASSEATA EM DEFESA DA CAMPANHA SALARIAL
Dando continuação às 48 horas de paralisação de advertência, os professores da rede municipal de ensino fizeram uma grande passeata que iniciou na Praça Deodoro em direção á prefeitura de São Luis. A caminhada teve inicio às 9 horas de hoje (15/04) e se prolongou ao longo das principais avenidas do centro da cidade.
Ao som de “apitaços” e discursos, os professores conscientizaram a população da legitimidade da paralisação e da responsabilidade do poder executivo municipal pela falta de aulas nas escolas da cidade. Na visão dos diretores do sindicato, a paralisação não se deve apenas por reajuste de salário, mas também por melhores condições de trabalho para os educadores e conforto para os alunos em sala de aula.
Como se não bastasse a falta de vontade para resolver os problemas da categoria, a secretária de educação, Suely Tonial, equivocadamente anda dizendo que o salário praticado em São Luís é o segundo melhor do País. “Isto prova o desconhecimento da secretária sobre a realidade dos assuntos referidos à pasta que ocupa. Na verdade, segundo o MEC, ocupamos a vigésima posição, ou seja, um dos mais baixos da federação”, explicou o vice-presidente do SINDEDUCAÇÃO, prof. César Augusto.
O sindicato já tem agendado para o próximo dia 19 mais uma reunião com a secretária de educação. Porém, em função de outros encontros, não é certeza de avanços na negociação. “É preciso que a categoria se conscientize que está paralisação em grande parte serve para sensibilizar o prefeito João Castelo sobre as necessidades da categoria, uma vez que a secretária parece não ter autonomia o suficiente para decidir. Então queremos que o prefeito assuma sua responsabilidade como gestor público, disse o diretor de mobilização Flávio Mendes.
Para presidente do SINDEDUCAÇÃO Lindalva Batista, o resultado da paralisação foi além das expectativas, uma vez que mais de 90% das escolas aderiram ao movimento. A categoria cerrou fileira junto ao sindicato e entendeu o sentido de estar unida num momento onde a união tem valor fundamental para a garantia dos direitos. “ Por hora estamos satisfeitos com o resultado da paralisação. A categoria está de parabéns, pois mostrou coragem e determinação numa hora tão difícil. Agora vamos esperar a decisão do prefeito. Estamos em “estado de greve”. Caso não haja avanços vamos convocar outra assembléia geral para decidirmos juntos a possibilidade de uma greve por tempo indeterminado, disse a profª Lindalva Batista, presidente do SINDEDUCAÇÃO.

FONTE: http://www.sindeducacao.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=112&Itemid=28

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br