3/12/2012 12:00 am

15 mil metalúrgicos de Curitiba e RMC protestam nesta sexta-feira por negociação coletiva

15 mil metalúrgicos de Curitiba e RMC protestam nesta sexta-feira por negociação coletiva

Trabalhadores de 17 empresas exigem fechamento de acordo salarial 2012. O assinado no ano passado vence hoje. Na Bosch, protesto foi também contra assédio moral.

(…)

Quinze mil trabalhadores de 17 indústrias metalúrgicas e de máquinas instaladas na Grande Curitiba estão realizando protestos durante esta sexta feira (30), desde as 4h30 da manhã. As mobilizações vão desde assembleias até paralisações de um dia inteiro. Os trabalhadores exigem negociação salarial e renovação de acordos coletivos de trabalho: as convenções e o acordos celebrados em 2011 vencem hoje. A reivindicação é de reajuste salarial com aumento real de 3% mais abono salarial.

 

Conforme explica o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), Sérgio Butka, a mobilização de hoje ocorre apenas em empresas nas quais ainda não houve acordo salarial. Durante este ano, de março para cá, em mais de 100 indústrias já ocorreram acordos, beneficiando cerca de 55 mil trabalhadores. Nessas fábricas, nenhum tipo de ato ou protesto foi realizado hoje.

 

Confira o quadro atualizado dos protestos e paralisações em cada uma das empresas:

 

Bosch

 

Na Bosch, o protesto de hoje cedo paralisou a planta por uma hora. Durante a tarde, às 14h00, nova paralisação deve ocorrer. Os trabalhadores da unidade de Curitiba da multinacional alemã reivindicam acordo salarial e fim do assédio moral. Desde ontem, o Sindicato da categoria está coletando depoimentos dos trabalhadores denunciando a prática do assédio.

 

CURITIBA

– Bosch, fábrica de bombas injetoras para motores diesel:

Trabalhadores realizaram paralisação de uma hora. Nova assembleia na segunda-feira. Metalúrgicos exigem 3% de aumento real, abono salarial e fim do assédio moral.

 

– Trutzschler, fábrica de máquinas para indústrias do setor têxtil:

Metalúrgicos paralisaram atividades durante três horas e exigem apresentação de proposta salarial. Até agora, indústria não apresentou nenhuma proposta. Trabalhadores votaram e aprovaram prazo legal de 48 horas para realizar greve por tempo indeterminado.

 

 

– Blount, fábrica de corrente para serras elétricas:

Deflagrada paralisação durante o dia inteiro. Trabalhadores protestam contra fato da indústria não ter apresentado, até agora, nenhuma proposta de acordo salarial.

 

– Maclinea, fábrica de máquinas para indústria madeireira:

Realizada assembleia de conscientização com os trabalhadores.

 

– Giben, fábrica de máquinas para indústria madeireira:

Metalúrgicos votaram prazo de 48 horas para realizar greve. Reivindicação é de 3% de aumento real, abono salarial e R$ 200 em vale-mercado.

 

– Brasilsat, fábrica de estruturas metálicas:

Trabalhadores decidiram continuar greve, deflagrada há quatro dias, na última terça-feira. Reivindicação é de reajuste com INPC mais 3% de aumento real, vale-mercado de R$ 200, redução da jornada de 44h para 40h e eleição de um delegado sindical. Metalúrgicos também protestam contra tentativa da empresa de mudar a representação sindical dos trabalhadores para outra entidade sindical.

 

CAMPO LARGO

 

– GL, fábrica de componentes elétricos:

Trabalhadores realizaram assembleia de mobilização em virtude de demissão de dirigente sindical por parte da empresa. Acordo salarial 2012 já está fechado.

 

– Plona, fábrica de componentes mecânicos:

Realizada assembleia de conscientização com trabalhadores. Nova mobilização até a próxima terça-feira. Trabalhadores exigem 3% de aumento real mais abono salarial.

 

CAMPO MAGRO

 

– Flexotech, fábrica de máquinas de impressão:

Deflagrada paralisação de 24 horas. Trabalhadores só retornam ao trabalho amanhã.

 

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

 

– Brose, indústria de autopeças:

Paralisação das atividades durante uma hora, na entrada do primeiro turno.

 

– Magius, fábrica de peças para caminhões:

Depois de uma hora de paralisação, Magius melhorou proposta e trabalhadores encerraram protesto. Acordo prevê 3% de aumento real mais INPC, abono de R$ 1,8 mil, e vale-mercado extra de R$ 100.

– Montana, fábrica de máquinas agrícolas:

Paralisação de uma hora. Trabalhadores exigem apresentação de proposta. Nova assembleia será realizada na próxima semana.

– Metalus, fábrica de chapas metálicas:

Deflagrada paralisação o dia inteiro. Metalúrgicos só retornam ao trabalho na próxima segunda-feira.

ARAUCÁRIA

 

– Hubner, fábrica de peças de caminhões,

Trabalhadores rejeitaram em assembleia proposta de acordo da empresa (reajuste salarial do INPC + 3% de aumento real, aplicados apenas em fev/2013, e R$ 1,5 mil de abono) e aprovaram, em votação, prazo legal de 48 horas para receber nova proposta. Depois desse prazo, podem deflagrar greve.

 

PINHAIS

 

– Schwarz, fábrica autopeças:

Deflagrada paralisação o dia inteiro. Nova assembleia na próxima quarta-feira (5), na qual será votado prazo legal de 48 horas para deflagrar greve por tempo indeterminado.

– Perfipar, fábrica de perfis metálicos:

Realizada assembleia de conscientização com trabalhadores.

 

QUATRO BARRAS

 

– Pastre, fábrica de implementos rodoviários:

Trabalhadores paralisaram atividades por duas horas.

 

Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba – SIMEC

 

http://cspconlutas.org.br/2012/12/15-mil-metalurgicos-de-curitiba-e-rmc-protestam-nesta-sexta-feira-por-negociacao-coletiva/

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br