30/11/2010 12:00 am

01/DEZ/2010 – SEIR APOIA CAMPANHA NACIONAL POR UMA INFÂNCIA SEM RACISMO

SEIR APOIA CAMPANHA NACIONAL POR UMA INFÂNCIA SEM RACISMO

A Secretaria de Igualdade Racial (Seir) está apoiando o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) no lançamento da campanha nacional por uma infância sem racismo, nesta próxima-terça (30), às 8h30, no auditório do Ministério Público em São Luis (MA).

O lançamento terá a participação da Secretária Estadual da Igualdade Racial, Claudett Ribeiro; da Procuradora-Geral de Justiça do Estado do Maranhão, Maria de Fátima Rodrigues Travassos Cordeiro; da presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, Elisângela Cardoso; do presidente do Conselho Estadual da Política Étnico Racial do Maranhão, Luis Alves Ferreira; e da coordenadora do escritório do UNICEF no Maranhão, Eliana Almeida. Além das autoridades, o evento tem a participação de representantes de movimentos negros e indígenas e lideranças adolescentes do Maranhão.

A campanha, lançada como parte da celebração dos 60 anos de atuação do UNICEF no Brasil, tem como objetivo mobilizar a sociedade brasileira para a necessidade de assegurar a equidade e a igualdade étnico-racial desde a infância.

No Maranhão, a campanha tem o apoio da Procuradoria Geral de Justiça do Maranhão, Seir, Conselho Estadual da Política Étnico Racial do Maranhão, Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, Fórum Permanente de Educação e Diversidade Etnicorracial do Maranhão, Conselho Municipal das Populações Afrodescendentes, Fórum de Educação Infantil do Maranhão, Movimento Nossa São Luis, outras instituições.

A Campanha

Para a primeira etapa da campanha foram produzidas diversas peças publicitárias, com a do ator e embaixador do UNICEF no Brasil, Lázaro Ramos. Será divulgado um folheto com as dez maneiras de contribuir para uma infância sem racismo.  A campanha terá duração de um ano e será acompanhada de um blog (www.infanciasemracismo.org.br).

Ao reconhecer os progressos na melhoria da qualidade de vida de suas crianças, a coordenadora do UNICEF no Maranhão, Eliana Almeida, lembra que esses benefícios ainda não contemplam equitativamente todos os meninos e meninas, especialmente, negros e indígenas. “Essas crianças e adolescentes ainda vivem em contextos de desigualdades.

Diferentes setores da sociedade civil participaram da construção da campanha, entre elas, empresas, órgãos públicos e organizações não governamentais.

Para o UNICEF, o combate ao racismo implica valorizar as diferenças, promovendo a igualdade de tratamento e oportunidades para cada menina e menino no Brasil, o que ainda representa um grande desafio para o País. Assim busca-se contribuir com o debate nacional sobre direitos da infância e adolescência, envolvendo cada segmento da sociedade no esforço do combate ao racismo a partir do reconhecimento de sua existência.

 

FONTE: http://www.ma.gov.br/agencia/noticia.php?Id=13040

CONTATOS

facebook.com/observatorio

(98) 99999-9999

observatoriopoliticaspublicaslutasociais@yahoo.com.br